Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Arrecadação soma R$ 77,074 bi em agosto, mas desacelera pelo 3º mês seguido

Com reduções de impostos para estimular a economia e empresas lucrando menos, o governo vem perdendo a contribuição

Pelo terceiro mês consecutivo, a arrecadação de impostos e contribuições federais apresentou queda, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira pela Receita Federal. A arrecadação atingiu 77,074 bilhões de reais em agosto, queda real (com correção da inflação pelo IPCA) de 1,84% em relação a igual mês de 2011. No acumulado do ano, a arrecadação soma 673,576 bilhões de reais, registrando crescimento real de apenas 1,45% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os dados da Receita mostram que a arrecadação em agosto caiu 12,72% em relação a julho deste ano. Enquanto as receitas administradas em agosto somaram 75,467 bilhões de reais, as administradas por outros órgãos atingiram 1,607 bilhão de reais.

O desempenho das receitas administradas (que não leva em conta taxas cobradas por outros órgãos) é ainda mais fraco e fechou o período de janeiro a agosto com uma alta de apenas 0,91% em relação a igual período de 2011. Em janeiro, a arrecadação das receitas administradas começou com crescimento de 4,77% ante igual mês de 2011.

Desaceleração – Os dados da Receita Federal mostram uma clara desaceleração da arrecadação ao longo dos oito primeiros meses deste ano. Em janeiro, a arrecadação de impostos e contribuições federais começou com um crescimento real de 6,04%. Em março, a arrecadação acumulada no primeiro trimestre chegou a subir 7,32% ante igual período do ano passado, mas, a partir daí, os dados mostram que ela perdeu fôlego e fechou o mês de agosto com alta tímida. Até julho, o crescimento estava em 1,89%.

Leia mais:

Governo reduz para 2% a projeção do PIB para este ano

Imposto de importação mais alto pode ser revogado se houver inflação, diz Mantega

Motivos – Um dos fatores apontados pela Receita para o fraco desempenho da arrecadação é a queda da produção industrial e também a menor lucratividade das empresas em 2012 em relação ao ano anterior. Segundo a Receita, esse fato fica evidenciado quando comparada a arrecadação do acumulado de abril a agosto de 2012 do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) com as empresas que são obrigadas a fazer a apuração dos dois tributos pelo lucro real.

Os dados da Receita mostram que a arrecadação do IRPJ e da CSLL apresentou nesse período uma redução de 15,49% de abril a agosto ante igual período do ano passado, o equivalente a 5,8 bilhões de reais. No acumulado do ano, a queda é de 4,412 bilhões de reais, ou 6,99%, em relação a janeiro/agosto do ano passado. No primeiro trimestre, a arrecadação desses dois tributos cresceu 5,59% em relação ao primeiro trimestre de 2011, influenciado ainda pelo lucro das empresas obtido no ano passado.

Leia também:

Impostos brasileiros lembram novelas, diz FT

Governo adia para outubro aumento do imposto de importação

Outros fatores – A queda da arrecadação em agosto foi ainda puxada pelo pagamento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que sofreu uma retração de 23,29% no período, em função da redução do volume de entrada de moedas nas operações tributadas pelo imposto e pela redução nas alíquotas nas operações de crédito de pessoas físicas.

Os dados da Receita apontam queda de 77,57% na arrecadação de IPI-automóveis em agosto ante agosto do ano passado, também em função da redução do imposto pelo governo como meio de estimular o consumo do país. Outro tributo que apresentou retração no mês passado foi a Cide-combustível, que teve a alíquota zerada e, por isso, registrou uma diminuição na arrecadação de 99,62% em relação a agosto de 2011. E por fim, também apresentou queda de 4,72% a arrecadação do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) sobre rendimentos de capitais.

(Com Agência Estado)