Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Arrecadação em maio soma R$ 113,3 bi, alta real de 1,92% ante maio de 2018

Esse foi o melhor desempenho para meses de maio desde 2014; nos cinco primeiros meses do ano, arrecadação federal somou R$ 637,6 bilhões

Por da Redação
Atualizado em 24 jun 2019, 15h54 - Publicado em 24 jun 2019, 15h45

A arrecadação de impostos e contribuições federais somou 113,3 bilhões de reais em maio, um aumento real (já descontada a inflação) de 1,92% na comparação com o mesmo mês de 2018. Em relação a abril deste ano, houve queda real de 18,63%.

O valor arrecadado foi o melhor desempenho para meses de maio desde 2014, quando a arrecadação ultrapassou 116 bilhões de reais. Entre janeiro e maio deste ano, a arrecadação federal somou 637,6 bilhões de reais, também o melhor desempenho para o período desde 2014. O montante ainda representa avanço de 1,28% na comparação com igual período do ano passado.

Desonerações

As desonerações concedidas pelo governo resultaram em uma renúncia fiscal de 40,1 bilhões de reais entre janeiro e maio deste ano, valor maior do que em igual período do ano passado, quando ficou em 34,5 bilhões de reais. Apenas no mês de maio, as desonerações totalizaram 8 bilhões de reais, também acima de maio do ano passado (7 bilhões de reais).

Só a desoneração da folha de pagamentos custou aos cofres federais 768 milhões de reais em maio e 3,6 bilhões de reais no acumulado do ano.

Continua após a publicidade

Resultado

A arrecadação de tributos federais alcançou o maior resultado em cinco anos no mês de maio principalmente por conta do recolhimento maior de imposto de renda por investidores e empresas e do aumento de tributos sobre a receita das empresas e sobre importações. Houve alta de 23,47% no pagamento do Imposto de Renda sobre Rendimentos de Capital no mês passado, que somou 3 bilhões de reais. Em um momento em que a Selic está em queda, muitos investidores resgataram investimentos em renda fixa, o que levou ao pagamento do tributo, que incide no momento do resgate.

O coordenador de Previsão e Análise da Receita Federal, Claudemir Malaquias, destacou a alta de 5,77% no pagamento de Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL), chegando a 12 bilhões de reais, o que ajuda a explicar o resultado do mês. “O desempenho do IR está vindo muito melhor este ano do que no anterior, com perspectiva das empresas de auferirem mais lucro”, afirmou.

Com as previsões para o crescimento da economia passando por sucessivos cortes, Malaquias ponderou que, no curto prazo, a arrecadação não tem relação direta com PIB em período curto de tempo. Ele lembrou que, no ano passado, as receitas cresceram 3,5%, acima do PIB, que subiu 1,1%. “A base do Imposto de Renda, por exemplo, é o lucro. A atividade econômica pode estar contraída, mas a lucratividade maior”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.