Clique e assine a partir de 8,90/mês

Arrecadação de junho é a melhor desde 2015, diz Receita

Perdas geradas pela greve dos caminhoneiros foram compensadas por aumento de receitas de royalties de petróleo

Por Da redação - Atualizado em 24 jul 2018, 14h42 - Publicado em 24 jul 2018, 12h13

Sob impacto da greve dos caminhoneiros, a arrecadação de impostos e contribuições federais somou 110,855 bilhões de reais em junho — um aumento real de 3,09% em relação a maio, e de 2,01% em comparação com o mesmo mês de 2017. Segundo a Receita Federal, as perdas geradas pela greve dos caminhoneiros foram compensadas, em parte, com um aumento de receitas de royalties de petróleo. A consequência foi o melhor resultado para o mês de junho desde 2015.

Com a alta do dólar e o aumento do preço da commodity no mercado internacional, a linha de receitas não administradas pela Receita Federal, na qual os royalties são o principal fator, subiu 46,72% em junho sobre o mesmo período do ano anterior. Já a arrecadação de impostos subiu 1,23%, seguindo a mesma base de comparação.

As receitas com Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) caíram 14,28% em junho, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. A queda no IPI é atribuída à paralisação dos caminhoneiros, que derrubou a produção industrial do país, diminuindo a base sobre a qual incide a tributação. Além disso, as receitas com o Imposto de Renda Pessoa Física sobre rendimentos de capital caíram 27,93% devido à redução na taxa de juros. Já o Cofins e o PIS/Pasep subiram 9,45%.

Entre janeiro e junho deste ano, a arrecadação federal somou 714,255 bilhões de reais, o melhor desempenho para o primeiro semestre desde 2015. O montante ainda representa avanço de 6,88% na comparação com igual período do ano passado.

Na semana passada, o governo manteve sua previsão de maiores receitas no ano, apesar de ter reduzido a expectativa para o crescimento do produto interno bruto (PIB) de 2,5% para 1,6% neste ano.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade