Clique e assine a partir de 9,90/mês

Argentina teme cortes de energia e onda de saques no Natal

Problemas na distribuição de energia é mais um problema para os argentinos enfrentarem no país, que vive grave crise econômica

Por Da Redação - 21 Dec 2013, 18h11

Os argentinos se preparam para receber o Natal com os olhares voltados para o fornecimento de energia elétrica, que começou a ficar instável há uma semana, com a chegada das altas temperaturas, e o medo de que durante as festas de fim de ano ocorram novos saques em lojas e supermercados.

Depois que os cidadãos se mobilizaram exigindo às autoridades e às companhias elétricas uma solução, Edenor e Edesur, empresas responsáveis pela distribuição de energia na cidade de Buenos Aires e na região metropolitana, garantiram hoje que trabalham ’24 horas ao dia’ para restabelecer o serviço.

Os prolongados cortes de luz e a ineficaz e tardia resposta dos responsáveis levou o governo argentino a se reunir com os diretores de ambas companhias para exigir ‘uma solução imediata’ para o problema, sob ameaça de nacionalizá-las se fossem ‘incapazes de prestar o serviço’.

Leia ainda:

Continua após a publicidade

Governo argentino anuncia novo congelamento de preços

As falhas no fornecimento de energia não foram a única dor de cabeça para o governo argentino na última semana, já que, devido ao temor de que se repitam os violentos saques que se estenderam por grande parte do país no começo do mês, foi montado um grande esquema de segurança às vésperas do Natal.

A primeira medida foi reforçar o efetivo policial nos dias 19 e 20, 12º aniversário da grave crise social e econômica que a Argentina sofreu em 2001 e na qual 34 pessoas morreram em uma onda de violência e roubos.

Enquanto isso, estimulados pela chegada do verão e pelo início das férias, milhares de argentinos começaram hoje seu êxodo natalino rumo, principalmente, ao litoral.

Continua após a publicidade

Leia também:

Argentina culpa elétricas por apagão e ameaça estatizá-las

Onda de calor provoca racionamento de energia na Argentina

(Com agência EFE)

Publicidade