Clique e assine a partir de 8,90/mês

Argentina promete quitar dívida de US$ 5 bi com exportadores brasileiros

Companhias não pagavam o valor ao Brasil por falta de acesso ao dólar

Por Da Redação - 20 dez 2015, 17h05

O presidente do Banco Central argentino, Federico Sturzenegger, disse na manhã deste domingo, 20, em Assunção que empresas brasileiras devem receber até julho o valor referente a importações que companhias argentinas não pagavam por falta de acesso ao dólar.

Ele participou de uma reunião de ministros da área econômica na 49ª Cúpula do Mercosul, que termina nesta segunda-feira, 21. No mesmo encontro, esteve o titular da Fazenda argentino, Alfonso Prat-Gay, que estimou essa dívida em 5 bilhões de dólares na semana passada. “Já temos um cronograma e a partir de julho estará tudo normalizado”, disse Sturzenegger.

O crédito dos brasileiros foi acumulado no período em que o kirchnerismo controlou o acesso à divisa americana, processo iniciado em 2011 e encerrado na quinta-feira pelo governo de Mauricio Macri. A unificação brusca do câmbio levou a uma valorização do dólar de 41% e uma queda de 30% no poder de compra do peso.

Leia também:

Antes de deixar o governo, funcionários de Cristina saquearam prédios públicos

Continua após a publicidade

Há uma semana no cargo, Macri já enfrenta um grande protesto

Após fim do controle cambial, peso argentino despenca

A nova administração espera elevar no próximo mês em 25 bilhões de dólares as reservas do BC, hoje em 24,3 bilhões de dólares. Antes de desvalorizar sua moeda, o governo de Macri havia anunciado duas medidas de abertura. A primeira foi o fim de impostos sobre todas exportações agropecuárias, com exceção da soja, que teve sua taxa reduzida de 35% para 30%. A outra foi o fim da exigência de uma autorização para importações, alvo de reclamação constante de empresas brasileiras e argentinas. O chefe do BC previu que as três ações darão à Argentina um crescimento mais acelerado das suas exportações e o país normalizará o fluxo de capitais.

Sturzenegger criticou indiretamente o governo kirchnerista ao mencionar Bolívia e Paraguai como referências em política macroeconômica na América Latina. “Quando ouvimos que os bolivianos têm uma inflação de 2,5% e um crescimento de 5%… Nos dá um norte. O Paraguai com inflação de 4%”, disse. O Brasil não esteve representado por Nelson Barbosa, que assume o Ministério da Fazenda nesta segunda-feira, 21.

(Da redação com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade