Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Argentina ameaça impor novas barreiras ao Brasil

Empresas acusam fabricantes brasileiros de toalhas de praticar dumping

Por Da Redação - 17 dez 2010, 09h34

Às vésperas da reunião de Cúpula do Mercosul, que acontece nesta sexta-feira em Foz do Iguaçu, a Argentina ameaça o Brasil com medidas protecionistas. O país iniciou uma investigação de dumping contra os fabricantes brasileiros de toalhas. As empresas locais acusam as brasileiras de vender abaixo do preço de custo para liquidar os concorrentes.

O assunto azedou o clima dos encontros preparatórios da reunião e foi tratado nesta quinta-feira em Foz do Iguaçu entre o secretário de Comércio Exterior do Brasil, Welber Barral, e o secretário de Comércio Exterior da Argentina, Eduardo Bianchi. “O governo busca um compromisso dos dois lados que evite a aplicação da sobretaxa”, disse Barral.

O conflito entre os dois países no setor têxtil não está restrito apenas às toalhas. Há menos de 10 dias, os empresários brasileiros aceitaram uma cota para a exportação de lençóis. Em 2011, o Brasil só poderá embarcar 2.100 toneladas do produto para o vizinho, uma redução de 18% em relação aos 2.557 toneladas vendidas de janeiro a novembro de 2010. O volume é menor que as 2.284 toneladas embarcadas em 2009. A medida afeta as vendas da Teka e da Coteminas.

A abertura da investigação de dumping contra as toalhas brasileiras, solicitada pelo ministério da Indústria – comandado por Debora Giorgi, autora de diversas medidas protecionistas contra produtos brasileiros – foi publicada na quarta-feira no Diário Oficial da União da Argentina. Os relatórios elaborados pela Comissão Nacional de Comércio Exterior e pela Subsecretaria de Política e Gestão Comercial da Argentina indicam uma margem de dumping de 70,9%.

Publicidade

(com Agência Estado)

Publicidade