Clique e assine a partir de 9,90/mês

Arábia Saudita toma medidas para segurança de infraestrutura de petróleo

País quer evitar que conflito entre EUA e Irã repita ataques a suas refinarias, como aconteceu com a Saudi Amanco em 2019

Por Reuters - 13 jan 2020, 09h33

A Arábia Saudita afirmou que está tomando medidas para garantir a segurança de suas instalações petrolíferas após recentes ataques contra bases militares no Iraque, disse nesta segunda-feira, 13, o ministro de Energia do país, o príncipe Abdulaziz bin Salman Al-Saud;.

“Nós tomamos todas precauções que podíamos tomar”, afirmou ele a jornalistas, após ser questionado sobre se o reino havia elevado a segurança após recentes ataques dos Estados Unidos e do Irã na região.

Ao falar durante evento do setor em Dahran, o ministro afirmou que a produção do reino deve ficar em 9,744 milhões de barris por dia em janeiro e fevereiro.

Ele também disse que o Iraque elevou seu comprometimento com cortes de oferta liderados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em dezembro e buscará cumprir totalmente sua meta em janeiro.

No ano passado, refinarias da empresa saudita Saudi Amanco, organizados pelo Irã, causaram uma crise no preço do petróleo, com a disparada no valor do barril. No início de janeiro, o preço do barril ficou bem volátil após a morte do general iraniano Qasem Soleimani, em ataque dos EUA, e respostas iranianas com ataques a bases militares no Iraque usadas pelos americanos. Nesta segunda-feira, no entanto, o barril de petróleo Brent operaava em queda de 0,28% por volta das 9h28 (horário de Brasília) sendo vendido a 64,92 dólares.

 

Continua após a publicidade
Publicidade