Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Aprovado negócio de Andrade Gutierrez com Camargo Corrêa

Cade aprova sem restrição compra de 50% das ações da holding M.C.P.S.P.E., da Camargo Corrêa, pela Andrade Gutierrez. Com isso, empresa dá mais um passo no setor de aviação brasileiro

Por Da Redação - 8 jan 2014, 12h25

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição pela Andrade Gutierrez Concessões de 50% das ações representativas da holding M.C.P.S.P.E. Empreendimentos e Participações, empresa não operacional do Grupo Camargo Corrêa. Segundo despacho publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira a empresa foi criada para construir, instalar e futuramente explorar um aeroporto privado na região metropolitana de São Paulo.

Leia mais:

Dilma aprova a construção do Nasp – o 3º aeroporto de SP

Aeroportos brasileiros devem se transformar em rodoviárias, diz ministro

Publicidade

SAC autoriza construção de aeroporto em São Roque

Os grupos Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa já atuam no setor aeroportuário, já que detêm participação acionária na Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR). Em novembro do ano passado, o Consórcio Aero Brasil, formado pela CCR (75%) e os operadores internacionais Flughafen München GmbH e Flughafen Zürich AG (conjuntamente, 25%), venceu leilão de concessão para ampliação, manutenção e exploração do Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins), em Minas Gerais. Segundo o contrato de concessão, o Consórcio Aero Brasil deterá 51% da participação acionária de Confins, cabendo os 49% restantes à Infraero. A CCR também participa da operação de aeroportos internacionais na Costa Rica, Curaçao e Equador.

A holding alvo da operação, segundo explicam as empresas em documento enviado ao Cade, terá por objeto “a criação de nova infraestrutura aeroportuária, e o resultado dessa operação será o aumento de capacidade nesse segmento no Brasil”.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade