Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Apps de transporte passam a exigir mais dados de quem paga com dinheiro

Medida de segurança tem o objetivo de atender demanda de motoristas, que temem assaltos

Para tentar reduzir as queixas dos motoristas de aplicativos contra o pagamento de corridas com dinheiro, empresas adotaram medidas para melhorar a segurança do prestador de serviço. A principal delas é a exigência de que o passageiro que paga com dinheiro informe seu CPF ou número do cartão de crédito.

A partir de agora, passageiros da 99 que usarem o aplicativo pela primeira vez terão de informar esses dados, independentemente de a corrida ser paga com dinheiro ou cartão. Antes, clientes que pagavam com dinheiro não precisavam cadastrar dados de pagamento.

A Uber adotou essa medida em março de 2017. Usuários que pagam a corrida com dinheiro precisam informar CPF e data de nascimento. “Esses dados são conferidos com a base de dados do governo federal para confirmar a identidade do usuário”, diz a companhia.

O reforço nos dados dos usuários que pagam com dinheiro foi necessário após motoristas se queixarem de assaltos. Quem paga com cartão já tem os dados cadastrais checados com as instituições financeiras.

As empresas de aplicativo também estão investindo em soluções de inteligência artificial para identificar riscos a partir da análise, em tempo real, dos dados das milhões de viagens realizadas diariamente. A ferramenta da Uber bloqueia as viagens consideradas potencialmente mais arriscadas, a menos que o usuário forneça detalhes adicionais de identificação.

A 99 também recorre à inteligência para monitorar o perfil dos passageiros e de todas as corridas em tempo real. Como na Uber, o sistema permite bloquear chamadas perigosas antes que elas aconteçam ou solicitando validações adicionais de identidade.

As mudanças na validação de dados da 99 foram implantadas primeiro nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza, Belo Horizonte, Porto Alegre e Santos. Agora, elas estão disponíveis em todo o país.

Nos próximos dias, a empresa passará a notificar o motorista sobre passageiros frequentes, analisando o histórico de quem faz a chamada e avisando ao condutor que aceitar a corrida. Também haverá a possibilidade de denunciar incidentes de segurança pelo próprio app, o que aumentará a velocidade da comunicação e da resposta da empresa.