Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Após vitória de Fernández, BC da Argentina restringe compra de dólares

Limite de compra de US$ 10.000 mensais por habitante passa a ser de US$ 200 até dezembro de 2019, segundo comunicado do órgão

Por Da Redação - Atualizado em 28 out 2019, 04h06 - Publicado em 28 out 2019, 03h58

Horas após a confirmação da vitória de Alberto Fernández nas eleições presidenciais da Argentina, o Banco Central do país anunciou um endurecimento na restrição na compra de dólares mensais a cidadãos argentinos. Com a medida, o limite de compra da moeda para pessoas físicas passa de 10.000 dólares mensais – valor estipulado em setembro – para 200 dólares por mês.

Em comunicado, o órgão cita o “grau de incerteza atual” para justificar a decisão. A princípio, as restrições são temporárias até dezembro de 2019.

Mais cedo, o ministro da Fazenda do país, Hernán Lacunza, salientou a importância de se preparar para “qualquer cenário”.

“Queremos garantir que a incerteza afete o mínimo possível a população. As medidas que tomamos têm o objetivo exclusivo de diminuir as incertezas”, disse Lacunza.

Publicidade

Confirmado pesquisas prévias, a chapa peronista formada por Alberto Fernández e Cristina Kirchner derrotou o atual presidente argentino, Mauricio Macri, no primeiro turno nas eleições presidenciais disputadas neste domingo 27. A crise econômica viva pelo país foi mencionada no discurso da vitória de Fernández, que declarou que os “tempos vindouros não serão fáceis”.

Publicidade