Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Após semana de expectativas, Bovespa abre em alta

Por Da Redação 29 ago 2011, 10h06

Por Olívia Bulla

São Paulo – A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta. O esperado discurso feito na sexta-feira pelo presidente do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano), Ben Bernanke, ainda ecoa nas praças financeiras hoje e dita um tom mais otimista entre os investidores no início desta semana. Nesse ambiente mais tranquilo, a Bovespa deve buscar reduzir parte das perdas acumuladas em agosto, embora os negócios locais sigam ressentidos do capital estrangeiro. Às 10h05, o índice Bovespa (Ibovespa) subia 0,69%, aos 53.717 pontos.

Faltando apenas três dias para o fim do mês, operadores seguem descrentes quanto a um “embelezamento” da Bolsa. O mais provável é que agosto seja o sexto mês, em oito decorridos este ano, em que o Ibovespa encerre com performance negativa. O desempenho, aliás, pode superar o resultado negativo de julho (-5,74%) – o pior de 2011 até então e que só faz frente ao verificado em maio de 2010 (-6,64%) – e ficar aquém apenas do tombo verificado em outubro de 2008, quando recuou mais de 20%.

Operadores das mesas de renda variável são praticamente unânimes em afirmar que, apesar dos preços atrativos das ações brasileiras, o investidor, sobretudo o estrangeiro, está arredio com a Bolsa. De fato, após os números da última quarta-feira (dia 24), o saldo negativo de capital externo na Bolsa superou R$ 1 bilhão neste mês, elevando o déficit no acumulado do ano para quase R$ 850 milhões.

Para os profissionais de mercado, a concorrência desleal com a renda fixa continua sendo o principal entrave, o que deixa a Bolsa refém de giro curto. E, por enquanto, não há sinais de que a Selic (taxa básica de juros da economia brasileira) irá abandonar a casa dos dois dígitos. Segundo a Pesquisa Focus, divulgada nesta manhã pelo Banco Central, os analistas do mercado financeiro mantiveram, pela terceira semana consecutiva, a previsão de que o juro básico permanecerá nos atuais 12,50% até o fim de 2011. A previsão indica a aposta de manutenção da Selic, na reunião que começa amanhã.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)