Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após encostar nos R$ 2,80, dólar fecha quase estável

Preocupações com o futuro da Grécia na zona do euro, desaceleração da economia chinesa e incertezas sobre a economia local influenciaram mercado

O dólar fechou praticamente estável ante o real nesta segunda-feira, depois de testar o patamar de 2,80 reais, em meio a preocupações com o futuro da Grécia na zona do euro, a desaceleração da economia chinesa e incertezas sobre a economia doméstica. No fim da sessão, a moeda americana teve leve recuo de 0,03%, a 2,77 reais na venda. Na máxima da sessão, a divisa alcançou 2,79 reais, maior nível desde o fim de 2004. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 436 milhões de dólares.

Na Grécia, o primeiro-ministro Alexis Tsipras insistiu que Atenas não vai pedir uma prorrogação do atual programa de resgate do país aos credores internacionais, mas sim um empréstimo, podendo deixar as partes envolvidas incapazes de chegar a um acordo de curto prazo. A notícia trouxe de volta o temor em relação à permanência ou não do país na zona do euro. No caso da China, as importações do país caíram 20% em janeiro em relação ao ano anterior, maior recuo desde maio de 2009, o que mostra que a segunda maior economia do mundo ainda está perdendo força, apesar de uma série de estímulos.

No cenário doméstico, investidores continuam mostrando ceticismo sobre a nomeação de Aldemir Bendine para a presidência-executiva da Petrobras, o que já havia contribuído para elevar o dólar na sexta-feira. Segundo analistas, a combinação de apreensão com o futuro da estatal e a fraqueza nos fundamentos macroeconômicos brasileiros faz com que os ativos brasileiros mostrem tendência pior do que de outros mercados emergentes. “O cenário está muito negativo no mundo, o que se reflete em pressão aqui. O mercado está muito apreensivo”, disse o operador de câmbio da corretora Intercam Glauber Romano.

Leia mais:

Dólar amplia alta e chega próximo a R$ 2,80

Ações da Petrobras despencam e fazem Ibovespa fechar no vermelho

Mercado se frustra com indicação de Bendine: ‘será mais do mesmo’

Segundo analistas, não há perspectiva de alívio no mau humor global no curto prazo, o que significa que o dólar pode encontrar forças para continuar a escalada nas próximas sessões. “Não dá para saber até onde o dólar vai chegar. E como a perspectiva é incerta, qualquer susto se transforma em um movimento expressivo”, disse o gerente de câmbio do Banco Confidence, Felipe Pellegrini.

Ainda nesta segunda-feira, pesquisa Focus do Banco Central mostrou que analistas de instituições financeiras já projetam estagnação econômica para este ano e inflação mais alta: 7,15% do IPCA.

Bolsa – No mercado de ações, a Bovespa fechou a segunda-feira em alta, em meio à recuperação das ações da estatal do petróleo Petrobras e forte avanço dos papéis da mineradora Vale. Segundo dados preliminares, o Ibovespa subiu 1,17%, a 49.360 pontos.

(Com agência Reuters)