Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Após decisão do Fed, dólar sobe na abertura

Moeda americana começou a ser negociada nesta quinta cotada a R$ 2,3510, alta de 0,35%. Ibovespa também inicia sessão em alta

Por Da Redação 19 dez 2013, 09h30

O dólar abriu em alta nesta quinta-feira, após o Federal Reserve (Fed) anunciar na tarde de quarta-feira a redução gradual no seu programa de estímulos. Nem mesmo o comunicado do Banco Central (BC) brasileiro, de que vai estender até o fim de junho de 2014 o programa de swap cambial, foi suficiente para reverter a tendência de valorização da divisa norte-americana.

Na abertura da sessão, às 9h, o dólar subia 0,35%, cotado a 2,3510 reais. Na primeira hora houve pouca oscilação e, por volta de 16h, estava cotado a 2,3520 reais, alta de 0,40%.

Na abertura, o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, abriu em alta de 0,80%, a 50.967 pontos. Na quarta-feira, a bolsa subiu 0,94%, a 50.563 pontos.

Leia mais:

Fed reduz ritmo de estímulos e anima mercado

Continua após a publicidade

Na quarta à noite, o BC brasileiro anunciou que suas intervenções no câmbio serão estendidas até pelo menos 30 de junho do ano que vem, totalizando 24 bilhões de dólares. Os leilões de swap cambial, que eram feitos de segunda a quinta-feira, no valor de 500 milhões de dólares por dia, serão realizados de segunda a sexta, mas em montante menor: 200 milhões de dólares. Os leilões de linha, atualmente às sextas-feiras, ocorrerão em função das condições de liquidez do mercado de câmbio. O programa de swap é usado para controlar a volatilidade do dólar, especialmente sua alta expressiva em relação ao real.

Leia também:

BC anuncia leilões diários no mercado de câmbio até o fim do ano

Para o gerente de câmbio da Correparti, João Paulo de Gracia Corrêa, o dólar poderá ter alguma volatilidade, com picos de alta ante o real. “Entre hoje e amanhã o mercado vai se ajustar a essas novidades visando se posicionar para a rolagem de contratos no mercado futuro a partir da próxima semana”, avaliou.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade