Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Petróleo opera instável após ataque iraniano a bases dos EUA no Iraque

Barril chegou a ser vendido a mais de U$ 70 na abertura da sessão, mas virou para ligeira queda nesta quarta-feira

Por Larissa Quintino - Atualizado em 8 jan 2020, 10h34 - Publicado em 8 jan 2020, 09h46

Os contratos futuros do petróleo dispararam nesta quarta-feira, 8, após forças iranianas atacarem duas bases americanas no Iraque na noite de terça-feira 7. 

Logo após as notícias do ataque, o petróleo Brent, usado como referência para as negociações, subiu mais de 4%, atingindo uma alta de sessão de 71,75 dólares por barril – o valor mais alto desde setembro. Já na manhã desta quarta-feira, 8, o barril era vendido a 68,34 dólares, em queda de 0,25% por volta das 9h40 (horário de Brasília). 

A preocupação internacional é saber como o conflito na região vai afetar o preço do petróleo. Desde a última sexta-feira, após um ataque aéreo autorizado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, matar o general iraniano Qasem Soleimani em Bagdá, capital do Iraque, a cotação do barril enfrenta instabilidade.

Isso acontece porque o Iraque é o segundo maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), exporta cerca de 3,4 milhões de barris de petróleo bruto por dia. Caso o conflito afete a produção, o valor do petróleo subiria ainda mais, causando crises nas economias do mundo todo, devido a menor oferta do produto.

Publicidade