Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Apesar de acordo, EUA ainda podem perder a nota AAA

Agências podem considerar plano insuficiente para aliviar os desafios fiscais de longo prazo

Por Da Redação 1 ago 2011, 10h30

Com um acordo fechado entre os líderes do Congresso dos Estados Unidos para elevar o teto da dívida do governo federal em 2,4 trilhões de dólares e cortar os gastos em um valor equivalente durante 10 anos, as atenções agora se voltam para as três principais agências de classificação de risco do mundo.

Mesmo se evitar uma moratória (default), os Estados Unidos ainda podem perder o rating AAA se as agências – Standard & Poor’s, Moody’s e Fitch – considerarem que o plano não vai suficientemente longe para aliviar os desafios fiscais de longo prazo que o governo enfrenta.

Dados os processos políticos envolvidos, as agências podem adiar a avaliação sobre os ratings dos Estados Unidos até depois do Dia de Ação de Graças, em novembro, para verificar as recomendações do comitê bipartidário especial que será criado de acordo com o plano aprovado ontem.

Até agora todas as três agências têm sido bastante sinceras sobre o processo e não se recusaram a expressar publicamente suas opiniões sobre a forma como o governo está lidando com a questão da dívida.

“O acordo provisório nos Estados Unidos sobre um pacote fiscal fechado ontem à noite é um ganho de tempo sobre a questão do teto da dívida, mas não resolve confiavelmente o déficit fiscal e os riscos relacionados a um rebaixamento”, disseram analistas do Barclays.

“Nós acreditamos que um plano de redução do déficit confiável de US$ 5 trilhões é necessário para estabilizar a relação entre dívida e PIB (Produto Interno Bruto) durante a próxima década. Consequentemente, o risco de um rebaixamento dos Estados Unidos permanece alto, na nossa opinião”, afirmaram.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade

Publicidade