Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Anúncio de referendo derruba ações de bancos europeus

Por Da Redação 1 nov 2011, 07h38

Por Clarissa Mangueira

Londres – As ações dos bancos europeus são negociadas em queda na manhã de hoje. Os mercados temem que a realização de um referendo na Grécia sobre o pacote de ajuda financeira para o país poderia prejudicar os planos para resolver a crise da dívida dos governos na zona do euro. Os bancos italianos, gregos e franceses estavam entre os mais atingidos pela notícia, em razão da sua alta exposição à dívida soberana. Por volta das 6h40 (horário de Brasília), o índice Stoxx Europe 600 recuava 7,2%.

O primeiro-ministro da Grécia, George Papandreou, defendeu ontem a realização de um referendo sobre o novo acordo de ajuda financeira para seu país e pediu a realização de um voto de confiança em seu governo, em uma tentativa de angariar apoio interno ao resgate.

Por volta das 8h20 (horário de Brasília), a Bolsa de Milão cedia 4,71%, conduzida pelos papéis do UniCredit (-8,31%), Intesa Sanpaolo (10,84%), Banco Popolare (-5,93%) e Banca Monte dei Paschi di Siena SpA (-8,99%).

Na França, também foram anotadas quedas: Société Générale (-10,57%), BNP Paribas (-7,96%) e Crédit Agricole (-8,93%). Os bancos franceses têm estado sob enorme pressão, à medidas que os temores sobre as suas necessidades de financiamento em dólar se adicionaram a preocupações mais gerais como sua exposição à dívida soberana da zona do euro.

Continua após a publicidade

Na Alemanha, os bancos Commerzbank e Deutsche Bank caíam 8,38% e 7,74%, respectivamente.

“Alguém poderia pensar que as pessoas na Grécia seriam a favor de um haircut (desconto) de 50% na sua dívida soberana, mas uma pesquisa realizada no fim de semana sugere que a maioria é contra o segundo pacote”, afirmou o economista da Goodbody Stockbrokers Dermot O’Leary.

Tais preocupações afetaram o sentimento no setor bancário europeu no início da sessão, mesmo em nações vistas como menos exportas aos combalidos países do sul da Europa.

Os bancos do Reino Unido também recuam, mas escaparam de declínios maiores observados em outros países europeus.Barclays (-7,60%), Royal Bank of Scotland Group (-6,36%), HSBC Holdings (-2,95%) e Lloyds Banking Group (-4,74%).

Às 8h30 (horário de Brasília), a bolsa de Londres caía 2,68%, Frankfurt perdia 4,19%, Paris recuava 4,11%, Madri declinava 3,94% e Lisboa tinha queda de 3,70%.

“Na falta de um financiamento externo oficial no âmbito do segundo programa grego, as medidas de austeridade na Grécia terão de ser mais duras ao invés de mais suaves”, ressaltou Paul Mortimer-Lee, do BNP Paribas. “Não haverá dinheiro para recapitalizar os bancos e o apoio do Banco Central Europeu (BCE) à liquidez bancária será ameaçada”, acrescentou. As informações são da Dow Jones.

Continua após a publicidade
Publicidade