Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

ANP tem dúvidas sobre capacidade de Tubarão Azul e Martelo

ANP reprovou o plano de desenvolvimento da empresa para Tubarão Azul e recusou a proposta de aceitar o óleo do campo como garantia para as obrigações relativas aos 13 blocos arrematados pela companhia na 11ª rodada de áreas exploratórias

Por Da Redação 22 jul 2013, 13h58

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) encaminhou à OGX, empresa de óleo e gás natural do empresário Eike Batista, algumas dúvidas sobre o volume estimado de óleo em reservatórios tanto para o campo de Tubarão Azul, quanto para Tubarão Martelo, ambos na Bacia de Campos.

No caso do primeiro, a ANP reprovou o plano de desenvolvimento da empresa e recusou a proposta de aceitar o óleo do campo como garantia para as obrigações relativas aos 13 blocos arrematados pela companhia na 11ª rodada de áreas exploratórias, realizada em maio. O motivo foi a incerteza acerca do volume do reservatório. Para Martelo, aprovou o plano, mas solicitou que a companhia revisasse estimativas de produção.

Leia também:

OGX terá prazo maior para pagar bônus de leilão da ANP

A ANP analisa plano de desenvolvimento de Tubarão Azul apresentado no fim de abril. Aguarda ainda o novo documento que a OGX anunciou que submeteria à reguladora, em fato relevante de 1º de julho.

Continua após a publicidade

A OGX tem três poços produtores em Tubarão Azul, mas apenas dois produziram em junho, somando 9,7 mil barris/dia. A companhia informou em 1º de julho que poderia deixar de produzir no campo, devido à irregularidade do reservatório e ausência de tecnologia.

Na semana passada, a ANP aceitou o óleo de Tubarão Martelo como garantia para as obrigações da 11ª rodada, mesmo com o campo ainda não em produção e com incertezas quanto ao volume que será produzido.

A agência aprovou o plano de desenvolvimento, em junho, mas solicitou “a atualização dos modelos geológicos e de simulação, bem como a apresentação de novas estimativas de produção e reservas a partir da modelagem atualizada, e dos dados reais de produção”.

As regras da agência dão seis meses às empresas para apresentar o plano de desenvolvimento de um campo, depois de declararem se a área onde foi encontrado petróleo pode ou não ser explorada comercialmente. A declaração de comercialidade é decisão da empresa e independe da reguladora.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)