Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

ANP pode arrecadar R$ 2 bilhões com nova rodada de licitações

Segundo diretor do órgão, pelo menos 36 empresas já demonstraram interesse no leilão que deve acontecer em maio, após cinco anos de suspensão

Por Da Redação 13 mar 2013, 16h10

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis(ANP) espera arrecadar pelo menos entre 1,5 bilhão e 2 bilhões de reais com a 11ª rodada de licitações de áreas para exploração de petróleo, disse nesta quarta-feira o diretor do órgão regulador Helder Queiroz. “Se todas as áreas saírem pelo lance mínimo, a arrecadação seria de 620 milhões de reais, mas esperamos algo superior dado o potencial competitivo”, disse Queiroz a jornalistas durante um evento do setor petrolífero no Rio de Janeiro. Queiroz acrescenta ainda que montante que vai de 1,5 bilhão a 2 bilhões de reais pode ser conservador.

A ANP relatou que já registrou o interesse de 36 empresas pela 11ª rodada, sem revelar nomes. A rodada agendada para maio marcará a retomada dos leilões de áreas de petróleo, que não são realizadas no país desde 2008.

Leia também:

AIE reduz estimativa para crescimento da demanda global por petróleo

Governo admite rever metas de conteúdo nacional no setor petrolífero

Continua após a publicidade

A ANP divulgou na terça-feira o edital e o modelo de contrato da 11a rodada, oficializando a adição de 117 blocos aos 172 que já estavam previstos no pré-edital. Ao todo, serão ofertados 289 blocos em 23 setores, cobrindo 155,8 mil quilômetros quadrados, distribuídos em 11 bacias sedimentares.

Royalties – Segundo o diretor, a disputa entre estados produtores e não produtores sobre a divisão de royalties e participações especiais não deverá afetar esta rodada. Há outras duas previstas para este ano – uma para gás, outra para o pré-sal. “Para este leilão, não acontece absolutamente nada”, afirmou. O diretor disse ainda que “nos últimos dias, a temperatura começou a baixar”. Queiroz lembra que é sempre almejado que não haja indefinições. Mas reitera que, comparado a outros países, o Brasil apresenta um conjunto de regras com transparência – segundo sua avaliação pessoal.

Leia também:

Crise dos royalties é o presente do ‘amigão’ Lula para Sérgio Cabral

(com Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade