Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Aneel aprova reajustes de mais de 20% na conta de luz em três Estados

Aumento atingirá mais de 5,8 milhões de consumidores atendidos por empresas de Santa Catarina, Espírito Santo e Pará

Por Da Redação 5 ago 2014, 23h17

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira os reajustes das tarifas de energia elétrica da Escelsa, Celesc e Celpa. As novas tarifas passam a vigorar a partir de quinta-feira. Os reajustes médios superam 20% na conta de luz de 5,8 milhões de consumidores atendidos por empresas dos Estados de Santa Catarina, Espírito Santo e Pará. Os índices refletem o aumento do custo da energia, motivado pela seca que reduziu o nível das reservatórios das hidrelétricas, e pelo uso intensivo de térmicas, que geram uma energia mais cara.

Reajustes – Para a Escelsa, que atende 1,4 milhão de unidades consumidoras do Espírito Santo, o reajuste médio será de 23,58%. Para consumidores conectados à baixa tensão, como residenciais, o aumento será de 24,71%, e para a alta tensão, de 21,99%.

As tarifas da Celpa, que atende 2 milhões de unidades consumidoras do Pará, terão um reajuste médio de 34,96%. Os consumidores da baixa tensão terão um aumento de 34,34%, e os da alta tensão, 36,41%.

Leia também:

Distribuidoras terão de pagar R$ 327 mi até sexta

Governo quer que contribuintes paguem dívida de distribuidoras em 3 anos

Continua após a publicidade

Aneel quer seis térmicas do Grupo Bertin de volta

Novo leilão de energia vai disponibilizar 26,3 mil megawatts ao sistema

A Celesc, que atende 2,4 milhões de unidades consumidoras de Santa Catarina, terá um reajuste médio de 22,62%. Os consumidores da baixa tensão terão um aumento de 22,76%, e os da alta tensão, 22,42%.

Empréstimos – O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, informou também nesta terça que os reajustes aprovados já têm embutidos parte das contas da elevação do preço futuro da energia elétrica. Outra parte dos custos das distribuidoras, como o encarecimento da energia de curto prazo, será coberto com recursos de um empréstimo oferecido por um consórcio de bancos.

Rufino afirmou que o segundo financiamento, de 6,5 bilhões de reais, deve ser fechado até o fim desta semana. O dinheiro virá de bancos públicos e privados, mas o governo teve de apelar ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para fechar o valor final do empréstimo

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)