Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Anatel criará ranking de qualidade de telefonia móvel

Após punir as operadoras por prestação de serviço ruim, agência quer dar visibilidade àquelas comprometidas com melhorias

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende, disse nesta quarta-feira que criará um ranking estadual de qualidade das operadoras de telefonia móvel. A lista deve ser publicada até o fim do ano no site do órgão regulador para que todos os consumidores possam escolher a companhia mais bem avaliada em seu estado na hora de adquirir uma nova linha de celular.

“Vamos colocar na internet o ranking das melhores operadoras em cada Estado. A imagem das companhias, às vezes, é mais importante do que uma multa pesada e queremos mostrar qual empresa está realmente comprometida com a melhoria dos serviços”, afirmou durante audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado.

Leia mais:

TIM contesta relatório da Anatel que acusa empresa de derrubar sinal de propósito

MP do Paraná também investigará Claro, Vivo e Oi

TIM derruba ligações de propósito, diz jornal

O presidente da Anatel também se colocou à disposição dos parlamentares para voltar ao Congresso no fim de novembro para apresentar os primeiros resultados da fiscalização trimestral que o órgão fará em relação aos planos de investimentos apresentados pelas companhias. Na semana passada, a agência aprovou as propostas das operadoras e liberou a retomada da venda de chips nos estados onde ficaram suspensas por onze dias.

“Não está descartada a possibilidade de novas suspensões. Se a melhoria do serviço não acontecer, a própria Anatel será cobrada pela sociedade”, disse.

Compartilhamento – O presidente da Anatel também defendeu a intensificação do uso do compartilhamento de dutos e torres por parte das companhias. “As empresas devem disputar o cliente no varejo, mas a infraestrutura deve ser compartilhada”, falou.

Também presente na audiência, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, informou que o governo apoiará os projetos de lei federal que tramitam no Congresso com os critérios para instalação de antenas, mas lembrou que os governos municipais têm autonomia. “Esse problema das regras impeditivas ocorre em 250 municípios entre os maiores do país, mas a lei federal pode estabelecer um parâmetro de negociação”, disse o ministro.

Bernardo também sugeriu que a Anatel cobre taxas diferenciadas pela habilitação de infraestruturas compartilhadas. “A existência de várias torres em um mesmo lugar é um monumento ao desperdício”, afirmou o ministro. Ele ressaltou que o setor de telefonia móvel faturou 80 bilhões de reais em 2011 e cobrou investimentos maiores que os 21 bilhões reais de 2011.

“Ainda precisamos avançar na qualidade. O consumidor tem de ser tratado muito bem nessa relação porque é ele que paga a conta”, completou.

Leia também:

Orelhões do país ganharão vida nova – e acesso à internet

(Com Agência Estado)