Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

AMR e US Airways fazem acordo com governo e criam maior aérea do mundo

Companhias concordaram em abrir mão de slots em aeroportos estratégicos para permitir a ampliação da atuação de empresas que vendem tarifas mais baratas, garantindo a manutenção da concorrência

Por Da Redação
12 nov 2013, 15h14

A US Airways e a American Airlines concordaram em abrir mão de slots (autorização de pousos e decolagens) e outros espaços em diversos aeroportos dos Estados Unidos para obter a aprovação do órgão antitruste e conseguir concluir a fusão entre as empresas, informou o Departamento de Justiça (DoJ) dos Estados Unidos nesta terça-feira. O governo entrou com uma ação em agosto argumentando que a US Airways e a AMR Corp, controladora da American Airlines, deviam ser obrigadas a desfazer o negócio �- que cria a maior companhia aérea do mundo.

O acordo estabelece que as empresas aéreas se desfaçam de pontos de desembarque no Aeroporto Nacional Reagan, nos arredores de Washington, e no aeroporto LaGuardia de Nova York, considerados centrais para o negócio. Empresas aéreas rivais de baixo custo também terão mais acesso a aeroportos em Boston, Chicago, Dallas, Los Angeles e Miami, disse o governo.

Leia também:

US Airways e American Airlines estendem prazo de fusão

Continua após a publicidade

TAM e American Airlines selam acordo de compartilhamento

“Esse acordo tem o potencial de mudar o cenário da indústria aérea. Ao garantir uma presença maior para as empresas de baixo custo em aeroportos importantes dos EUA, o acordo assegura aos passageiros mais competição em rotas sem escalas e com conexão”, disse o secretário da Justiça, Eric Holder. Os procuradores-gerais de seis estados americanos – Arizona, Flórida, Pensilvânia, Michigan, Tennessee e Virgínia – também aprovaram o acordo, apresentado ao Tribunal Federal do Distrito de Columbia, em Washington.

Segundo dados do Departamento de Justiça, no ano passado, viagens aéreas de turismo e negócios ultrapassaram 70 bilhões de reais nos EUA. O órgão diz ainda que as maiores companhias do país têm, nos últimos anos, aumentado tarifas e criado novas e mais elevadas taxas ao mesmo passo em que reduzem o serviço.

Continua após a publicidade

Histórico – Em fevereiro deste ano, a American Airlines e a US Airways anunciaram a formalização do acordo de fusão. Se fosse aprovado logo no início, o documento daria origem a uma nova gigante do setor com valor de mercado de 11 bilhões de dólares, mais de 900 aviões, 3,2 mil voos diários e cerca de 95 mil funcionários.

De acordo com dados da Justiça norte-americana, a American Airlines transportou mais de 80 milhões de passageiros no ano passado, para mais de 250 destinos ao longo do mundo e obteve mais de 24 bilhões de dólares em receita. No mesmo período, a US Airways transportou 50 milhões de passageiros para mais de 200 destinos e sua receita foi de 13 bilhões de dólares.

(com agência Reuters e Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.