Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ampliação de limite financiará trens em São Paulo, diz Alckmin

Governador aproveitou encontro com Mantega para elogiar privatizações de Dilma

Por Cida Alves, de Brasília 16 ago 2012, 14h35

Após a reunião dos representantes de catorze estados com o ministro Guido Mantega, na manhã desta quarta-feira, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou que a ampliação do limite de endividamento do estado será utilizada para financiar projetos prioritários de mobilidade urbana, sobretudo o transporte de alta capacidade sobre trilhos nas regiões metropolitanas. Alckmin adiantou que também haverá investimentos na ligação seca entre Santos e Guarujá, no expresso para Jundiaí e no acesso ao porto de São Sebastião.

“Estamos colhendo os frutos de um ajuste fiscal que vem sendo feito ano a ano com a redução da divida”, afirmou o governador. Segundo Alckmin, a divida de são Paulo era de 2,2 vezes a receita corrente liquida. Hoje é de 1,4.

Alckmin também elogiou o programa de investimentos em logística anunciado nesta quarta-feira pelo governo federal. Ele fez a declaração diretamente ao ministro da Fazenda, Guido Mantega. “São grandes projetos de concessões. Isso terá impacto na economia”, afirmou, durante reunião que contou com a presença de outros governadores. “Isso é emprego na veia; queria cumprimentá-lo”, acrescentou.

Endividamento de estados – Guido Mantega anunciou nesta quinta-feira a liberação de 42,2 bilhões de reais como ampliação do limite de crédito de 17 estados. O anúncio foi feito em Brasília, durante a reunião do Programa de Ajuste Fiscal (PAF) de 2012, em que doze governadores estiveram presentes. O valor já inclui os 11,9 bilhões de reais que haviam sido anunciados na semana passada para o estado de São Paulo.

Continua após a publicidade
Publicidade