Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

American Airlines e US Airways criam a maior companhia de aviação global

Fusão das empresas monta uma gigante de 11 bilhões de dólares e mais de 900 aeronaves com 3,2 mil voos diários

A American Airlines e a US Airways anunciam a formalização do acordo de fusão que cria a maior companhia aérea do mundo. Após uma longa quarta-feira de negociações, em que os conselheiros das empresas discutiram os detalhes do acordo, a aprovação oficial do negócio foi anunciada na manhã desta quinta-feira.

A nova gigante do setor terá valor de mercado de 11 bilhões de dólares, mais de 900 aviões, 3,2 mil voos diários e cerca de 95 mil funcionários. A empresa que resultará da fusão de American Airlines e US Airways vai ser um pouco maior do que a United Airlines.

A fusão conclui uma onda de consolidações que ajudou as companhias aéreas norte-americanas a terem bases financeiras mais sólidas. As negociações entre as duas empresas começaram aproximadamente em agosto do ano passado, quando os credores da American Airlines – que estava em concordata desde o final de 2011 e sob intervenção – analisaram que um plano de fusão seria mais vantajosos do que manter a empresa independente.

O processo de consolidação no mercado americano de aviação começou em 2008 com a união de Delta e Northwest. Depois a United absorveu a Continental e a Southwest adquiriu a AirTran. Com o negócio, quatro empresas passam a dominar três quartos do tráfego aéreo dos Estados Unidos.

Leia também:

American Airlines pede concordata nos EUA

Aéreas dos EUA avançam após Brasil abrir mercado

A companhia aérea manterá o nome American Airlines, mas o presidente será Doug Parker, que comandava a US Airways. Tom Horton, da American, passa a ser o presidente do Conselho, sem funções executivas.

Pelas informações iniciais, os viajantes da American Airways e da US Airways não vão notar mudanças imediatas. É provável que os programas de milhagem passem a ser combinados e em pouco tempo as operações das duas companhias estejam consolidadas.

(Com agência Reuters)