Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ambev traz cerveja holandesa Hertog Jan ao Brasil

Venda do produto se restringe à Internet — no site Empório da Cerveja — e seu preço é de R$ 30 a garrafa de 500 ml

A fabricante de cervejas Ambev, do grupo Anheuser Busch – InBev, está ampliando seu portfólio de cervejas importadas. De olho no aumento de sua receita no país, a empresa trouxe ao Brasil a marca holandesa Hertog Jan. Atualmente, a Ambev importa 15 marcas para vender no país, entre elas as belgas Leffe e Hoegaarden, a alemã Franziskaner, a argentina Quilmes, a uruguaia Norteña e outras. A companhia de bebidas tem entre seus principais acionistas o empresário Jorge Paulo Lehmann, o homem mais rico do Brasil.

As vendas da cerveja holandesa serão feitas exclusivamente pelo site Empório da Cerveja, ao preço de 30 reais cada garrafa de 500 mililitros (ml). Em 2013, a Ambev já trouxe ao Brasil a versão “rosée” da belga Hoegaarden e lançará na Oktoberfest, festa da cerveja que acontece em outubro em Blumenau (SC), a Spatten Oktobefest.

Hoje, o mercado de cervejas premium, que inclui as importadas, representa 6% do total de cervejas vendidas pela Ambev. A meta da empresa é aumentar essa participação para 8% em 2014, conforme informou a empresa ao site de VEJA.

Leia também:

Filho de Mussum vai lançar a cerveja artesanal ‘Biritis’

Sucesso bizarro de marketing, Hello Kitty lança (também) cerveja

A cerveja holandesa, cujo nome é uma homenagem ao duque holandês D. João I de Brabante, considerado o Rei da Cerveja no país, pode ser encontrada em três versões: Dubbel, Tripel e Grand Prestige. A primeira é a versão mais suave, com 7,3% de teor alcóolico e sabor levemente adocicado. A segunda já é mais forte, uma cor mais escura, sabor mais picante e graduação alcóolica de 8,5%. Por fim, a terceira versão é a mais encorpada, com aroma frutado, coloração escura e teor alcóolico de 10%.

Leia também:

Geeks também bebem – e apontam as 20 melhores cervejas do mundo​

Artesanais: Elas querem destronar a cerveja pilsen de seu longo reinado