Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ambev lançará Corona no Brasil no 2º semestre como cerveja ‘premium’

Marca criada pela cervejaria mexicana Modelo agora pertence à AB InBev, controladora da empresa brasileira

Por Da Redação - 26 Feb 2014, 17h05

A Ambev prevê o lançamento da marca Corona no Brasil no segundo semestre, dentro da estratégia de aumentar o peso dos rótulos premium, que geram maior margem de lucro para a empresa, no volume total comercializado. A afirmação foi feita em teleconferência com analistas nesta quarta-feira, quando o presidente da companhia, João Castro Neves, afirmou que a cerveja deverá estrear no Brasil após a Copa do Mundo, posicionada como “super premium“.

A marca passou a integrar o portfólio global da AB InBev, controladora da Ambev, após a companhia comprar o controle do grupo mexicano Modelo, num negócio anunciado em 2012.

Leia também:

Lucro da Ambev sobe 106,2% no quarto trimestre

Continua após a publicidade

Empresa canadense lança cerveja para quem gosta de malhar ​

AB InBev compra cervejaria Oriental Brewery por US$ 5,8 bilhões

No ano passado, as marcas premium da Ambev responderam por cerca de 7% do volume de cerveja da empresa no Brasil, com avanço de dois dígitos em marcas como Original, Budweiser e Stella Artois, incluídas pela empresa nesta categoria.

A participação das cervejas mais caras da Ambev cresceu na contramão dos números totais da empresa: o volume de cerveja vendido pela companhia recuou 4,3% no Brasil em 2013, afetado por fatores como inflação e clima desfavorável.

Continua após a publicidade

Segundo o diretor de Relações com Investidores da Ambev, a companhia vai direcionar esforços para trazer marcas premium ao Brasil. “Não temos número específico, mas quando olhamos outros mercados desenvolvidos, o peso de marcas premium no total atinge mais de 10%, 15%, até 25%”, afirmou. “É uma distância grande dos 7% que temos hoje para os 25%, então tem muito espaço para crescer”, completou.

A Ambev vai inaugurar duas fábricas no Brasil em 2014: uma em Uberlândia (MG), em março, e outra em Ponta Grossa (PR), ainda sem previsão de abertura.

(Com Reuters)

Publicidade