Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Amazon anuncia compra da Whole Foods por R$ 13,7 bilhões

Os analistas consideraram o acordo da Amazon com a Whole Foods como um evento sísmico para o setor.

Por Da redação Atualizado em 16 jun 2017, 20h38 - Publicado em 16 jun 2017, 20h08

A Amazon sacudiu mais uma vez o setor de varejo, com o anúncio na sexta-feira, que vai adquirir o mercado de alimentos Whole Foods, conhecido por suas caras opções orgânicas, em um acordo que ressalta a crescente influência do gigante online na economia.

Em um negócio de 13,7 bilhõesde dólares, todo pago em dinheiro, a Amazon comprará a empresa líder de alimentos orgânicos do Texas por 42 dólares por ação. As ações da Whole Foods era negociadas por 30 dólares, em média, entre maio e o início de junho.

A Whole Foods, que enfrentou a pressão de investidores ativistas, continuará operando as lojas da sua marca e será comandada pelo co-fundador e presidente-executivo John Mackey.

  • “Esta parceria oferece a oportunidade de maximizar o valor dos acionistas da Whole Foods Market, ao mesmo tempo que amplia nossa missão e traz a mais alta qualidade, experiência, conveniência e inovação aos nossos clientes”, disse Mackey.

    O anúncio teve consequências imediatas e duras para varejistas em Wall Street, como a Walmart Stores, que vende mantimentos e espera enfrentar uma competição ainda mais difícil com a Amazon agora muito mais ativa no espaço.

    Em maio, sob a pressão da Jana Partners, a Whole Foods substituiu cinco membros do conselho e seu diretor financeiro. O “hedge fund” disse que a empresa estava subvalorizada e que precisava revisar suas operações e considerar “alternativas estratégicas”, um espécie de código para venda.

    Mackey, que vê a Whole Foods como uma empresa “orientada pela missão” de melhorar a comida americana, criticou o Jana como um exemplo de capitalismo covarde. Mackey é famoso pelo crescimento de Whole Foods de um pequeno merceeiro bem-humorado no Texas, longe das costas dos EUA, em um gigante em alimentos de luxo.

    “Esses caras só querem nos vender, porque eles pensam que podem ganhar 40% ou 50% em um curto período de tempo”, disse Mackey ao Texas Monthly em um perfil publicado nesta semana.

    “Eles são desgraçados gananciosos, e estão colocando um monte de propaganda lá fora, tentando destruir minha reputação e a reputação de Whole Foods, porque é de seu interesse fazê-lo”.

    Evento sísmico

    O acordo é o último movimento importante da Amazon e seu principal presidente carismático, Jeff Bezos, que fez a Amazon crescer de uma pequena livraria online na década de 1990 em um gigante de varejo global que oferece uma ampla gama de produtos .

    Continua após a publicidade

    “Milhões de pessoas adoram o Whole Foods Market porque eles oferecem os melhores alimentos naturais e orgânicos, e eles tornam divertido comer saudável”, disse Bezos.

    “O Whole Foods Market tem sido satisfatório, deliciando e alimentando os clientes por quase quatro décadas – eles estão fazendo um trabalho incrível e queremos que isso continue”.

    Conforme a Amazon foi crescendo e Bezos acumulando cerca de 72 bilhões de dólares, ele passou a falar mais frequentemente de sua missão pública, adquirindo o Washington Post e investindo fortemente no jornal.

    Na quinta-feira, Bezos usou o Twitter para solicitar ideias sobre filantropia “para ajudar as pessoas aqui e agora, uma postagem que gerou cerca de 18.000 respostas.

    Os analistas consideraram o acordo com a Whole Foods como um evento sísmico para o setor.

    “O setor de varejo costuma mudar, mas, de vez em quando, ocorre um evento que agita a indústria em seu núcleo”, disse Neil Saunders, diretor-gerente da empresa de pesquisa GlobalData Retail. “A aquisição da Amazon Whole Foods é um desses eventos”.

    Ele disse que o negócio permitirá que a Amazon rapidamente construa seus negócios em alimentos através da compra de uma marca bem considerada. Mas “para outros mercados, o acordo é potencialmente aterrador”.

    “Embora a Amazon tenha sido uma ameaça iminente para a indústria de supermercados, a ameaça que ela sempre lançou era pálida e distante. Hoje isso mudou: a Amazon moveu-se diretamente para o território dos supermercados tradicionais e representa uma ameaça muito mais significativa”.

    A Whole Foods Market aparece na 28ª posição do ranking ‘Empresas Mais Admiradas do Mundo 2017’, que avaliou 50 empresas. O levantamento foi realizado pela revista de negócios norte-americana Fortune.

    (Com AFP e Reuters)

    Continua após a publicidade
    Publicidade