Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Alto endividamento afeta vendas do varejo, diz IBGE

Para Instituto, medidas tomadas pelo governo para estimular o consumo não estão surtindo efeito

Por Da Redação 11 jul 2012, 10h25

Em junho, Indicador de Inadimplência do Consumidor subiu 15,4% em relação ao mesmo mês de 2011

As medidas tomadas pelo governo para estimular o consumo não estão surtindo efeito nas vendas do varejo, segundo Reinaldo Pereira, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O volume de vendas do varejo caiu 0,8% em maio ante abril. Mesmo o índice de média móvel trimestral, que reduz a volatilidade do indicador, se reduziu de 0,3% no trimestre encerrado em abril para 0,0% no trimestre encerrado em maio.

“O governo vem tentando resolver o problema da crise da mesma forma como enfrentou em 2008 e que deu certo. Só que agora tem um ingrediente que não tinha antes, que é o alto nível de endividamento do consumidor. O que os economistas dizem é que dessa vez a saída não é consumo, é investimento”, afirmou Pereira.

Leia mais:

Inadimplência do consumidor cresce 19% no 1º semestre

Continua após a publicidade

Vendas do varejo recuam 0,8% em maio, maior queda desde 2008

Na avaliação do pesquisador, além do comprometimento de renda das famílias, o quadro de desaceleração da economia também afetou o humor para o consumo.

“Essa queda nas vendas na margem está de acordo com a atual conjuntura de uma desaceleração na atividade econômica. A indústria já apresentou dados de queda. As projeções para o PIB já vêm caindo, já se fala em crescimento de 2%, tem analista falando até em 1,5%. Então, não é um quadro que se estava esperando, que era que em 2012 a economia iria deslanchar. Isso não aconteceu”, lembrou Pereira.

No entanto, o IBGE ressalta que o resultado não pode ser encarado como uma tendência de inflexão nas vendas do varejo, por ser um indicador volátil. Na comparação com maio de 2011, ainda houve aumento de 8,2% nas vendas em maio deste ano.

“Nos últimos doze meses, a taxa de juros vem se reduzindo, houve aumento de salário, o emprego permaneceu forte. Então, essas variáveis vêm se mantendo estáveis e contribuem para esse crescimento de 8,2%”, explicou Pereira.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade