Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Alta na Selic deixa financiamento da casa própria mais caro e dívida maior

Atualmente, a Selic está em 13,25% ao ano, sendo a décima primeira alta consecutiva

Por Renan Monteiro Atualizado em 22 jun 2022, 15h13 - Publicado em 22 jun 2022, 11h46

Dentre muitos efeitos, a disparada na taxa de juros atinge em cheio o financiamento imobiliário, sobretudo quem firmou compromisso na compra de imóveis na planta. Os apartamentos e casas na planta, como são chamados, tratam de contrato direto com a construtora até a entrega da moradia, com o financiamento bancário permitindo o pagamento a partir da entrega. Nessa janela de tempo, as mudanças no juros, podem dificultar o pagamento dos contratos, ao deixar as parcelas mais caras.

Em junho de 2021, a taxa básica de juros estava em 4,25%. Atualmente, a Selic está em 13,25% ao ano, sendo a décima primeira alta consecutiva. Juros mais elevados são empréstimos que ficam mais caros, e um maior desestímulo às compras parceladas. Dessa forma, uma queda nos níveis gerais de consumo é esperada.

Como os imóveis na planta representam compromissos futuros, uma mudança drástica na taxa de juros altera completamente os planejamentos iniciais. “No momento da assinatura do primeiro contrato, as simulações e projeções do financiamento, a ser obtido futuramente, são calculadas com as condições daquele momento da negociação. São simulados valores de parcelas, prazo de pagamento e qual a renda exigida para a concessão do crédito com base naqueles números, mas o cálculo final vira uma surpresa”, avalia Marcelo Tapai, sócio do Tapai Advogados, especialista em direito imobiliário.

Na última terça-feira, 21, o Banco Central sinalizou para mais aumentos na taxa de juros, buscando conter os níveis inflacionários no país. Em paralelo, as parcelas das obras imobiliárias são corrigidas pelo Índice Nacional da Construção Civil (INCC), impactado pela inflação. Conforme levantamento mais recente da FGV IBRE, o INCC acumula alta de 5,77% no ano de 2022 e alta 15,44% nos últimos 12 meses. “Tem-se um cenário super desafiador, de um lado como o aumento propriamente dito do saldo devedor em razão do aumento do INCC e, de outro, uma taxa de juros muito maior. Ou seja, o comprador terá de conseguir financiamento mais caro para uma dívida maior”, analisa Marcelo Tapai.

Quedas 

Conforme dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o lançamento de imóveis no primeiro trimestre de 2022, em número absolutos, foi de 53.072, diminuição de aproximadamente 2,6% em relação ao mesmo período de 2021. Ao ser comparado com o último trimestre do ano passado – que normalmente é mais alto – a queda foi em mais de 42%. O levantamento, feito nas cinco regiões do país, abarcando 196 cidades, já indica uma tendência de desaceleração nos lançamentos de imóveis. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)