Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Alta da gasolina e dos alimentos leva a inflação a 12,13% em 12 meses

Combustíveis e produtos no supermercado pressionam os preços; resultado de 1,06% de abril é o maior para o mês desde 1996

Por Larissa Quintino Atualizado em 11 Maio 2022, 09h26 - Publicado em 11 Maio 2022, 09h17

A inflação continua a acelerar e a castigar a renda do brasileiro. Em abril, o índice de preços teve alta de 1,06%, apresentando desaceleração em relação a março, quando o índice foi de 1,62%. O resultado de abril foi o maior desde 1996 (1,26%). Com a elevação mês a mês, no ano, indicador acumula alta de 4,29% e, nos últimos 12 meses, de 12,13%. Vale lembrar que a meta da inflação de 3,5%, com margem de tolerância de 5%. Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta quarta-feira, 11, pelo IBGE.

Segundo o instituto, os principais impactos vieram de alimentação e bebidas – maiores variação (2,06%) e impacto (0,43 p.p.); e dos transportes – alta de 1,91% e 0,42 p.p. de impacto. Juntos, os dois grupos contribuíram com cerca de 80% do IPCA de abril. “Alimentos e transportes, que já haviam subido no mês anterior, continuaram em alta em abril”, elenca o analista da pesquisa, André Almeida.

A gasolina, grande vilã da inflação no ano, subiu 2,48% no mês, sendo o item com o maior impacto no índice do mês. “A gasolina é o subitem com maior peso no IPCA (6,71%), mas os outros combustíveis também subiram. O etanol subiu 8,44%, o óleo diesel, 4,74% e a ainda houve uma alta de 0,24% no gás veicular”, acrescenta Almeida.

A alta nos combustíveis impacta toda a cadeia produtiva brasileira, já que os preços impactam o frete de outros produtos. No caso dos alimentos, a principal alta foi sentida nos alimentos para consumo no domicílio (2,59%), ou seja, na prateleira do mercado. Houve alta de mais de 10% no leite longa vida  e em componentes importantes da cesta do consumidor como a batata-inglesa (18,28%), o tomate (10,18%), o óleo de soja (8,24%), o pão francês (4,52%) e as carnes (1,02%).

A alta nos preços continua generalizada.  Houve ainda aceleração nos grupos Saúde e cuidados pessoais (1,77%) e Artigos de residência (1,53%). O único grupo a apesentar queda no IPCA de abril foi Habitação, com -1,14%. Os demais ficaram entre o 0,06% de Educação e o 1,26% de Vestuário.

No caso de saúde e cuidados pessoais (1,77%), a alta decorre no aumento de produtos farmacêuticos (6,13%). Em 1º de abril, passou a valer o reajuste de 10,89% no preço dos medicamentos, dependendo da classe terapêutica. As maiores variações no item vieram dos remédios hormonais (7,96%) e hipotensores e hipocolesterolêmicos (6,81%). Além disso, houve alta também nos produtos de higiene pessoal (0,85%). O plano de saúde (-0,69%) segue com variação negativa, refletindo o reajuste negativo de -8,19% aplicado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) no ano passado.

O grupo habitação (-1,14%) foi o único a apresentar variação negativa em abril, devido à queda nos preços da energia elétrica (-6,27%). “A partir de 16 de abril, houve mudança na bandeira tarifária, que saiu de bandeira de escassez hídrica, para bandeira tarifária verde, em que não há cobrança extra na conta de luz. Desde setembro do ano passado, estava em vigor a bandeira de Escassez Hídrica, que acrescentava 14,20 reais a cada 100Kwh consumidos”, explica, o analista. Por outro lado, foram registradas altas no gás de botijão (3,32%) e no gás encanado (1,38%). Neste subitem, houve reajuste tarifário de 7,72% no Rio de Janeiro (4,07%), a partir de 16 de março.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)