Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alemanha diz que ajuda de 11 bi de euros para Grécia é realista

Ministro de Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, já havia sinalizado que a economia grega precisaria de um terceiro pacote de resgate

A estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI) de que a Grécia precisa de mais 11 bilhões de euros (14,7 bilhões de dólares) como parte de um possível terceiro resgate internacional é realista, afirmou o ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, em entrevista ao jornal Rheinische Post.

“Também tenho conhecimento desses números e eles não parecem completamente irrealistas”, disse Schäuble. Na semana passada o ministro alemão chamou a atenção dos mercados ao afirmar que a Grécia precisará de um terceiro resgate quando o plano atual expirar, no fim de 2014. Até agora, o governo grego já recebeu um total de 246 bilhões de euros em empréstimos internacionais da troica – que é composta pela União Europeia e o Banco Central Europeu (BCE), além do FMI.

Leia também:

Grécia precisará de outro pacote de ajuda, diz Alemanha

Ministro diz que Grécia pode precisar de mais 10 bilhões de euros

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, no entanto, tem falado pouco sobre o assunto, já que está concentrada nas eleições nacionais de 22 de setembro. Em entrevista ao jornal Saarbruecker Zeitung publicada nesta terça-feira, Merkel não quis se comprometer com um terceiro programa de ajuda à Grécia.

“Eu certamente não enfraquecerei os incentivos para a Grécia implementar as reformas necessárias dizendo algo sobre o segundo programa de resgate, que ainda é válido por um ano”, disse. Tanto Merkel quanto Schäuble reiteraram que são contra um novo desconto sobre a dívida da Grécia.

Em outra entrevista, veiculada pela CNN, Schäuble afirmou que não haverá mais resgates ao estilo do oferecido à Grécia se a coalizão de governo de seu país conseguir vencer as eleições do próximo mês. “Uma Europa mais forte significa que todos têm de cumprir suas tarefas e não pedir dinheiro dos outros”, declarou o ministro à CNN.

(com Estadão Conteúdo)