Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

AIE prevê revolução internacional do xisto até 2020

Por enquanto, EUA é o país que melhor dominou a tecnologia para extrair a commodity, mas Rússia e América Latina estão investindo no setor

Por Da Redação
17 jun 2014, 10h08

A revolução do xisto, que transformou a indústria petroleira nos Estados Unidos, se espalhará para outros continentes antes do fim da década. Esta previsão é mais otimista do que a projetada anteriormente pela Agência Internacional de Energia (AIE). Segundo a AIE, questões legais, políticas e de investimentos têm limitado a evolução da produção de xisto em outros países, mas isso está mudando mais rápido do que o esperado.

O uso de técnicas para ter acesso a reservas até então inacessíveis de petróleo de xisto transformaram a indústria americana, colocando os EUA na rota para se tornar o principal produtor da commodity até 2020. A AIE lembrou que Rússia e América Latina estão se preparando para utilizar novas tecnologias de extração em uma escala muito maior.

Leia mais:

Gás de xisto resulta em queda das vendas da Petrobras aos EUA

Continua após a publicidade

Brasil ainda não pode explorar gás de xisto com segurança

​Reservas de xisto representam 10% do petróleo mundial

Uma análise de cenário dos próximos cinco anos mostra que a produção de petróleo de xisto fora dos EUA pode alcançar 650 mil barris por dia até 2019. Para a agência, a demanda global por petróleo deve crescer mais lentamente após 2015, atingindo uma alta de 7,6 milhões de barris por dia em 2019.

Continua após a publicidade

“Enquanto a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) permanece como um fornecedor vital para o mercado, ela enfrenta significativos desafios para expandir a capacidade”, afirmou Maria van der Hoeven, diretora-executiva da AIE.

Desafios – Nos últimos dias, a insurgência sunita contra o governo do Iraque, de liderança xiita, impulsionou os preços do petróleo. O aumento na produção do Iraque será responsável por 60% do crescimento da produção da Opep nos próximos cinco anos, mas, mesmo desconsiderando os atuais conflitos, o Iraque enfrenta sérios desafios por causa de gargalos crônicos na infraestrutura.

Bagdá almeja uma produção de 8,5 milhões a 9 milhões de barris por dia até 2020, mas a AIE cortou a estimativa para a capacidade de produção do Iraque em cerca de 500 mil barris por dia, para apenas 4,5 milhões de barris por dia em 2019. “Por causa da precária situação política e de segurança no Iraque, a projeção é carregada de riscos negativos”, ressaltou a AIE.

Continua após a publicidade

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.