Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Agenda eleitoral impôs saída de Bernardo Figueiredo

O presidente da Empresa de Planejamento e Logística deixará o cargo em dezembro deste ano, mas planejava inicialmente ficar até o fim de 2014

Por Da Redação 6 nov 2013, 09h35

O desespero do governo para evitar que atrasos nas concessões de rodovias e ferrovias criassem más notícias às vésperas das eleições foi uma das causas do desgaste do presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, que deixa o cargo no início de dezembro.

Pouco mais de um ano após assumir a estatal, Figueiredo aceitou em silêncio a perda de prestígio, mas não esconde dos mais próximos o cansaço de assistir a agenda eleitoral se sobrepor às discussões técnicas. Sua ideia era ficar até o fim de 2014. Ao longo do ano, percebeu que sairia quando suas opiniões deixaram de ser levadas em conta por Dilma Rousseff.

Os maiores embates ocorreram com a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que tomou a frente do Programa de Investimentos em Logística (PIL), uma das bandeiras eleitorais de Dilma e Gleisi, que deve disputar o governo do Paraná.

Leia também:

Bernardo Figueiredo, da EPL, deixará cargo em dezembro

Com Bernardo Figueiredo longe, risco de concessões aumenta

Enquanto era escanteado das decisões mais importantes, Figueiredo dizia nos bastidores que atrasos na licitação das rodovias e ferrovias deveriam ser assumidos como parte normal do processo. Na avaliação dele, os editais só deveriam sair depois que todas as questões econômicas e de engenharia fossem discutidas com investidores e com a sociedade, incluindo governos estaduais e municipais, segundo interlocutores.

Mas, diante das cobranças de que o programa completaria um ano sem o leilão de nenhum lote, e faltando um ano para as eleições, Gleisi assumiu o controle de todo o processo. Segundo interlocutores, Figueiredo defendia maior consistência nos projetos. Apesar de várias sinalizações ruins dos investidores, principalmente a respeito do pedágio elevado, o governo licitou a BR-262 em setembro. Não houve interessados.

Continua após a publicidade

Só então o governo aceitou rever questões como a previsão de crescimento do PIB nos estudos dos editais. Antes fixada em 4,5% ao ano, ela foi reduzida para 3,5% e, depois, 2,5%. A projeção de crescimento do tráfego caiu de 1,2 para 1. Para Figueiredo, tudo isso poderia ter sido revisto antes, de uma só vez, e não na base da “tentativa e erro”. Segundo fontes ouvidas pelo Estado, Figueiredo relatou a insatisfação em reuniões com o núcleo do Planalto.

A falta de investidores nacionais também atrapalhou. Após roadshows para convocar estrangeiros, Gleisi não quis aguardar que os investidores firmassem parcerias no País, mais uma vez para não atrasar o cronograma. Segundo auxiliares, Bernardo discordou e sugeriu aguardar a chegada desses investidores para os leilões.

Leia ainda:

EPL será fábrica de projetos, diz Bernardo Figueiredo

Paulo Passos será novo presidente da EPL

Houve também conflitos com o Ministério da Fazenda, sobre o retorno dos investimentos, e com o Tribunal de Contas da União (TCU), sobre a função da Valec na compra e venda da capacidade de carga das ferrovias. Um dos episódios que marcou o enfraquecimento de Bernardo foi o Trem de Alta Velocidade (TAV). Ele propôs que a Taxa Interna de Retorno (TIR) fosse maior que a de rodovias e ferrovias, chegando a 8%. Dias depois, a Fazenda fixou em 7%, comprovando sua perda de prestígio no governo.

Com a saída de Figueiredo em dezembro, a EPL será comandada pelo ex-ministro dos Transportes Paulo Passos.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)