Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Aeroportos regionais precisam de R$ 2,4 bilhões até 2015, diz associação

Os recursos são necessários para adequar 174 aeroportos regionais e assim responder ao crescimento da demanda nesses terminais

Por Da Redação 15 abr 2011, 14h24

“Teremos que ter horários alternativos de voo, durante a madrugada, usar a (via) Dutra para deslocamento de pessoas durante o evento e até mesmo pedir para que os estrangeiros não venham para o país”, diz Anderson Correia, da Abetar, sobre a demanda na Copa

Levantamento realizado pela Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional (Abetar) estima que serão necessários investimentos de 2,4 bilhões de reais entre 2011 e 2015 para adequar um grupo de 174 aeroportos regionais e assim responder ao crescimento da demanda nesses terminais. O número foi apresentado nesta sexta-feira pelo representante da entidade, Anderson Correia, durante o Seminário Internacional de Concessão de Aeroportos, que acontece em São Paulo.

Segundo o especialista, o levantamento completo, com a necessidade de cada aeroporto, será encaminhado pela associação ao Ministério do Turismo. Correia explica que esse conjunto é composto, principalmente, de aeroportos municipais e estaduais, mas também conta com aeroportos administrados pela Empresa Brasileira de InfraEstrutura Aeroportuária (Infraero), como Vitória e Cuiabá, que não estão contemplados no pacote de investimentos previstos para atender à Copa do Mundo de 2014.

Copa do Mundo – O especialista, que é doutor em engenharia de transportes e ex-superintendente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), classificou como realista o estudo divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que indicou que nove dos 13 aeroportos que receberão investimentos para modernização e aumento de capacidade, com vistas à Copa do Mundo de 2014, não ficarão prontos a tempo. “É muito improvável que a Infraero consiga cumprir o cronograma de modernização e aumento da capacidade dos aeroportos no prazo previsto”, afirmou, destacando que essa é uma opinião pessoal, e não da Abetar.

Desafio até para o setor privado – Segundo Correia, cumprir os prazos seria difícil até mesmo para a iniciativa privada. Ele estima que a construção de um novo aeroporto em São Paulo, como já foi cogitado, levaria no mínimo dez anos. “Os prazos da Infraero não são realistas e o prognóstico para a Copa é alarmante”, afirmou.

O representante da Abetar acredita que o governo deverá conseguir cumprir apenas as obras emergenciais e terá de ter um plano B para atender ao aumento da demanda previsto para a Copa do Mundo. “Teremos que ter horários alternativos de voo, durante a madrugada, usar a (Rodovia Presidente) Dutra para deslocamento de pessoas durante o evento e até mesmo pedir para que os estrangeiros não venham para o país”, declarou.

Na opinião do especialista, faltou planejamento. “Para o curto prazo temos recursos, mas não teremos agilidade”, avaliou. Correia lembrou ainda que os projetos de ampliação dos aeroportos de Guarulhos (em estudo há três anos), Viracopos e Brasília ainda não foram concluídos.

Questionado por jornalistas se podemos esperar um caos aéreo durante a Copa, Correia disse que não, mas ressaltou que não haverá condições ideais no que diz respeito a serviços. Ele lembrou que os terminais provisórios poderão atender aos passageiros, mas faltará infraestrutura para atender as aeronaves. “É só um quebra-galho, e de que adianta?”, indagou. Para o especialista, as condições estarão longe do que o Brasil está prometendo.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade