Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Aéreas se rearrumam após crise, mas viajantes pagam caro por passagens

Mesmo com a aparente normalização, alcançada graças à vacinação massiva da população, ventos fortes continuam a soprar no setor

Por Luana Zanobia, Felipe Mendes
Atualizado em 24 Maio 2022, 18h04 - Publicado em 22 Maio 2022, 08h00

Atingida em cheio pela pandemia de Covid-19, a aviação comercial brasileira se transformou em exemplo dramático do baque provocado pelo coronavírus nas atividades econômicas. Em abril de 2020, no auge da crise sanitária, o número de decolagens domésticas nos aeroportos de todo país despencou para o equivalente a 6,8% da malha aérea pré-pandemia. Assim que a situação começou a dar sinais de melhora, entre o fim de 2020 e o início de 2021, as decolagens chegaram rapidamente a 69% da época pré-Covid 19. Isso apenas para enfrentar uma nova queda, para 35%, três meses depois. Em meio a essa montanha-russa, o tráfego aéreo fechou dezembro com aproximadamente 85% das decolagens pré-­pandemia e, finalmente, deve ficar entre animadores 90% e 100% em maio. Mesmo com essa aparente normalização, alcançada graças à vacinação massiva, ventos fortes continuam a soprar no setor.

Segunda maior companhia aérea do país, a Gol realizou nos últimos dias uma intensa movimentação que promete mudar a correlação de forças no céu. No dia 11, a empresa anunciou a união com a colombiana Avianca para formar o Abra Group Limited, holding com sede em Londres que dará origem ao maior grupo aéreo da América Latina, com 300 aeronaves e receita de 7 bilhões de dólares anuais. Apesar da união, as empresas permanecerão funcionando de forma independente, com as próprias marcas e executivos. Uma semana depois, a Gol comunicou a troca de seu presidente, o executivo Paulo Kakinoff, que ocupava o cargo havia dez anos. Ele segue para o conselho de administração e será substituído por Celso Ferrer, que estava no posto de executivo chefe de operações da companhia. “A fusão tem mais um caráter de complementaridade do que de escala. É basicamente uma operação que visa a ampliar receitas para ambas as empresas por meio de novas rotas e vendas cruzadas”, explica André Castellini, especialista no setor aéreo e sócio da consultoria Bain & Company.

arte Voo

Apesar do nome familiar aos brasileiros, a parceira da Gol não tem conexão com a Avianca que realizava voos domésticos no Brasil e que quebrou em 2019. A operação nacional, pertencente ao empresário Germán Efromovich, usava a marca da colombiana, da qual seu proprietário também era acionista, mas tinha identidade jurídica distinta. Na configuração atual, a empresa é controlada pelo empresário salvadorenho radicado nos Estados Unidos Roberto Kriete. Na nova holding, Kriete ocupará a presidência do conselho de administração, enquanto Constantino de Oliveira Júnior, da família controladora da Gol e presidente da empresa de 2001 até 2012, terá o cargo de CEO. Em paralelo ao anúncio da criação da nova companhia, foi divulgado que um grupo de investidores está disposto a aportar 350 milhões de dólares no negócio, o que ajudaria a aumentar a liquidez das duas parceiras. “É um movimento positivo, mas estamos falando de um acordo de sobrevivência entre empresas que enfrentam crises, uma que saiu de uma recuperação judicial e outra que contabiliza prejuízo gigantesco decorrente da pandemia”, aponta Salvatore Milanese, sócio-­diretor da consultoria Pantalica Partners. Desde a chegada do coronavírus ao Brasil, a Gol perdeu 60% de seu valor de mercado e acumula uma dívida líquida ajustada de 22 bilhões de reais no fim de março de 2022 — um crescimento de 61,3% em relação ao mesmo período de 2021.

Se a herança maldita da pandemia leva os analistas à ponderação ao tratar do negócio entre Gol e Avianca, a movimentação das duas empresas lança uma sombra sobre a concorrência — em particular sobre a Latam, atualmente a maior do Brasil e também da América Latina. Em recuperação judicial nos Estados Unidos, a companhia aérea chileno-brasileira registrou aumento de receita com a demanda aquecida, mas teve prejuízo líquido de 380 milhões de dólares no primeiro trimestre do ano. É nesse cenário que a chegada de uma rival que a supera em tamanho acende um sinal de alerta. “Não dá para saber ainda em quanto tempo, mas obviamente a posição da Latam vai ser contestada, especialmente quando pensa em conectividade América Latina, Brasil e Estados Unidos”, avalia Ilan Arbetman, analista de research da Ativa Investimentos. O modelo de união das duas empresas é pioneiro na América Latina e bem diferente da fusão entre TAM e Lan Chile, que juntou as empresas em uma terceira marca. No caso da nova parceria, a Gol preservará sua identidade no mercado doméstico brasileiro e a Avianca, com sua forte atuação em rotas para América Central, do Norte e Europa, também. É um processo muito parecido com o que aconteceu em conglomerados europeus como o britânico IAG, que uniu British Airways e Iberia, o franco-holandês Air France-KLM ou o Lufthansa Group, que reúne a controladora alemã a outras oito companhias, entre elas a suíça Swiss International, a vienense Austrian Airlines e a belga Brussel Airlines. “É um formato bem-sucedido em que, além do maior poder de barganha com fornecedores, as empresas passam a ter também menor sensibilidade a crises regionais”, avalia Francisco Lyra, presidente do Instituto Brasileiro de Aviação.

Continua após a publicidade
VOLTA DOS VIAJANTES - Aeroporto de Guarulhos: passagens mais caras -
VOLTA DOS VIAJANTES – Aeroporto de Guarulhos: passagens mais caras – (João Nogueira/Futura Press)

Para os passageiros, a retomada dos voos comerciais pós-pandemia trouxe outra novidade — ainda que pouco agradável. A situação financeira das empresas, a demanda aquecida, o alto custo do querosene de aviação e o impacto da inflação atingiram os preços das passagens com força. Em 2020, o ano mais crítico da pandemia, as tarifas domésticas tiveram queda de 14,5%, contra um aumento de 8% no ano anterior. Em 2021, os preços subiram 19,3%. Nos quatro primeiros meses de 2022, o aumento já é de 14,8%. Nesse cenário, a Gol foi a empresa que mais elevou as tarifas. Entre fevereiro de 2019 e o mesmo mês de 2022, o valor médio da passagem foi de 434 para 505 reais, um acréscimo de 17,6%. A Latam aumentou seus preços médios de 418 para 437 reais, ou 5,5%, enquanto a Azul diminuiu levemente as tarifas (que já eram mais elevadas que as das concorrentes), de 535 para 531 reais, o equivalente a uma redução de 0,8%. A arrumação que está sendo feita nos céus do Brasil é grande, mas até agora o viajante não tem muitos motivos para comemorar.

Publicado em VEJA de 25 de maio de 2022, edição nº 2790

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.