Clique e assine a partir de 8,90/mês

Aéreas brasileiras tiveram perda de R$ 1,4 bi em 2011

Para o sindicato patronal (Snea), uma das principais razões para o mau desempenho é o aumento dos custos, sobretudo com combustíveis e tarifas

Por Da Redação - 13 jun 2012, 11h23

Cerca de 1 bilhão de reais das perdas totais do setor deve-se ao prejuízo somado de Gol e TAM

As companhias aéreas brasileiras encerraram 2011 com um prejuízo total em torno de 1,4 bilhão de reais. A estimativa é do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea). “Cerca de 1 bilhão de reais foi o prejuízo somado da Gol e da TAM – empresas de capital aberto que divulgam seus resultados”, afirmou o diretor-presidente da entidade, José Márcio Monsão Mollo, que participa nesta quarta-feira de um seminário sobre transporte aéreo realizado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Em seus cálculos, se consideradas também as companhias aéreas de capital fechado, o prejuízo do setor ficou entre 1,3 bilhão de reais e 1,4 bilhão de reais no ano passado.

Combustíveis e tarifas – Entre os motivos para o desempenho ruim, ele citou o aumento de custos. Além do preço do combustível, que subiu mais de 30% ano passado, ele mencionou a elevação de 130% nas tarifas aeroportuárias promovida pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) também no ano passado. “Em janeiro deste ano tivemos 150% de reajuste nas tarifas de comunicação e navegação e já está previsto um outro aumento de 83% em janeiro de 2013”, disse.

Leia mais:

Após ano conturbado, Gol tenta se reerguer

Crítica à Petrobras – O diretor-presidente do SNEA criticou a forma como a Petrobras estabelece o preço do querosene de aviação (QAV) no Brasil, que, segundo ele, é o mais caro do mundo. “Apesar de 80% do querosene de aviação ser produzido pela própria Petrobras, localmente, o preço é estabelecido como se ele fosse 100% importado, incluindo custo de frete e de nacionalização”, disse durante o seminário.

“Isso é uma caixa preta que a Petrobras não abre de forma alguma”. Ainda de acordo com o executivo do SNEA, os 20% restantes são importados da região do Caribe e abastecem as regiões Norte e Nordeste do Brasil.

As despesas com combustíveis representam mais de 30% dos custos totais das companhias aéreas. Segundo Mollo, ao longo de 2011, o preço do QAV no Brasil subiu 33,55% e, neste ano, até maio, a alta acumulada é de 9,19%. A Petrobras reajusta mensalmente o preço do querosene de aviação.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade