Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Adoboli, ex-operador do UBS, enfrenta julgamento

LONDRES/ZURIQUE, 30 Jan (Reuters) – O ex-operador do banco UBS, Kweku Adoboli, será julgado em setembro depois de declarar-se inocente nesta segunda-feira sobre os encargos relacionados com a perda de mais de 2 bilhões de dólares em negócios que o banco suíço diz que não foram autorizados.

O julgamento, que provavelmente vai destacar a adequação da gestão de controle de risco do banco, poderá determinar a Adoboli uma pena máxima de 10 anos de prisão se for condenado por duas acusações de fraude e duas de falsificação de contabilidade.

As perdas levaram à renúncia do ex-presidente executivo do UBS, Oswald Gruebel, e a uma reviravolta na empresa de investimentos para reduzir sua exposição ao risco.

Adoboli, que foi educado na Inglaterra e é filho de um funcionário aposentado das Nações Unidas de Gana, foi preso em 15 de setembro de 2011.

CORTES NA ALEMANHA

O UBS cortará cerca de 120 postos de trabalho na Alemanha, o que equivale a quase 10 por cento de seu quadro de funcionários no país, onde vê o segmento de gestão de riqueza se tornar rentável no médio prazo.

“Temos que cortar cerca de 10 por cento de um total 1,2 mil postos de trabalho”, disse o diretor do negócio alemão, Axel Hoerger, durante entrevista que o jornal Die Welt publicará na terça-feira. Segundo o executivo, os cortes já estavam em andamento e devem ser concluídos até o fim do ano.

O porta-voz Dominique Gerster afirmou que os cortes fazem parte do programa de redução de custos que o banco anunciou no ano passado.

O UBS tinha avisado no ano passado que cortaria 3,5 mil postos de trabalho para economizar 2 bilhões de francos suíços (2,2 bilhões de dólares) em custos anuais, fora as demissões no banco de investimento.

Hoerger admitiu que a lucratividade da unidade alemã de gestão de riquezas ainda está um pouco distante. “Temos como meta sermos lucrativos no mercado de gestão de riquezas no médio prazo”, disse. O diretor apontou taxas mais altas como um passo para alcançar esse objetivo.

(Por Peter Griffiths e Silke Koltrowitz)