Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Adidas diz que Copa do Mundo impulsionará vendas de artigos esportivos

Empresa quer atingir meta de US$ 2,7 bilhões com a venda de produtos relacionados a futebol, incluindo réplicas da bola da competição deste ano Brazuca

A Adidas espera aproveitar o aumento da demanda por camisas, chuteiras e bolas com a Copa do Mundo para cumprir a meta de arrecadar 2 bilhões de euros (2,7 bilhões de dólares) em vendas de produtos relacionados a futebol este ano. “Posso confirmar que vamos atingir a meta de 2 bilhões de euros pela primeira vez na nossa história”, disse o presidente-executivo da companhia, Herbert Hainer, durante uma coletiva de imprensa nesta terça-feira.

Leia também:

Copa derruba preço de pacotes turísticos

Refeição em bares e restaurantes encarece no mês da Copa

Preço de passagem aérea cai, apesar da Copa

Hainer afirmou que estava desapontado pela Espanha já ter sido desclassificada do torneio, mas ressaltou que estava feliz com o desempenho das outras equipes patrocinadas pela Adidas. A marca prevê a venda de mais de 8 milhões de camisas dos nove times patrocinados, incluindo mais de 2 milhões de camisas da Alemanha, sendo meio milhão delas comercializadas fora da Europa. A empresa ainda espera vender mais de 14 milhões de réplicas da “Brazuca”, bola oficial da Copa, um milhão a mais do que a bola produzida para a competição de 2010.

Leia ainda:

IBGE: Vendas de TVs ainda não mostram impacto da Copa

Efeito Copa: turismo europeu e norte-americano aumentou mais de 60% no Brasil

Rivalidade – A Adidas, que por muito tempo dominou o mercado de chuteiras, camisas e bolas, enfrenta uma competição feroz com a Nike, a maior fabricante de artigos esportivos do mundo atualmente. A Adidas fornece bolas para os jogos da Copa desde 1970, e renovou o patrocínio à competição até 2030. Por outro lado, a Nike superou pela primeira vez a rival alemã no número de equipes patrocinadas, com dez times (de um total de 32), incluindo o anfitrião e favorito ao título Brasil.

(com agência Reuters)