Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Adesão ao plano de venda do Cruzeiro do Sul é baixa

Quem aderisse até esta terça-feira (primeira chamada) teria um prêmio (deságio menor) na venda de dívidas da instituição financeira ao FGC

Por Da Redação
29 ago 2012, 11h28

O Fundo Garantidor de Créditos (FGC) afirmou nesta quarta-feira que poucos credores aderiram ao plano de venda do Banco Cruzeiro do Sul nesta primeira chamada. A proposta do Fundo é que a instituição seja vendida com 50% de desconto, de modo a permitir que continue funcionando, depois de comprovado um rombo bilionário em suas contas.

Se o investidor – estrangeiro ou nacional – aderisse ao plano até a terça-feira (28), ele teria um desconto menor sobre a dívida, uma espécie de prêmio. O FGC precisa que 90% dos investidores do Cruzeiro do Sul concordem com o plano e vendam seus ativos ao fundo até 12 de setembro. Depois disso, o FGC negociará a venda dos mesmos a outras instituições financeiras.

Mesmo não conseguindo atingir a porcentagem necessária, o FGC está confiante que a adesão será alcançada até a data final.

Leia mais:

FGC anuncia rombo 139% maior no Cruzeiro do Sul

Continua após a publicidade

Para ‘FT’, Banco Cruzeiro do Sul é história de terror

Estrangeiros – Em comunicado, o FGC observa que a adesão dos credores externos que detêm os bônus com vencimento em 2015 e 2016 ultrapassou o patamar necessário. Ambas as séries de títulos têm cláusulas vinculantes que permitem tornar a adesão de todos os credores compulsória, desde que a maioria qualificada de 75% venha a aderir à oferta pública.

Também foram vendidos 50% dos bônus nas mãos de credores estrangeiros com vencimento em 2020. Neste caso, a mudança na cláusula do papel relacionada a fusões, aquisições e alteração do controle do banco já foi garantida. Segundo fonte próxima ao processo, essa mudança é necessária para vender o banco.

Interessados – Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo desta segunda-feira afirma que seis bancos estão avaliando os números do Cruzeiro do Sul, mas apenas quatro teriam feito reuniões com o Fundo para tirar dúvidas, enquanto outros dois teriam agendado encontros. Nomes de possíveis interessados não foram citados, pois estão sob sigilo.

Continua após a publicidade

O presidente do Cruzeiro do Sul desde a intervenção, Celso Antunes, disse que nem todos mostram o mesmo grau de interesse, mas estão olhando para ver se faz sentido ao negócio deles. O banco está sob intervenção do Banco Central (BC) desde o início de junho.

O Cruzeiro do Sul detém um patrimônio negativo em 2,26 bilhões de reais. O passivo total do banco, sem o deságio, é de 5,68 bilhões de reais. A proposta de compra tem de estar finalizada até setembro e a instituição interessada precisa ter patrimônio de 2,5 bilhões de reais e capital de 800 milhões de reais disponíveis para dar continuidade às operações. Assim, a instituição seria salva da liquidação judicial.

(Com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.