Clique e assine a partir de 9,90/mês

Acionistas da Petrobras aprovam balanço que mostrou perdas com corrupção

Relatório registrou que a estatal teve, em 2014, prejuízo de 21,6 bilhões de reais e perdas com a corrupção avaliadas em 6,2 bilhões de reais

Por Da Redação - 25 maio 2015, 17h59

Acionistas da Petrobras aprovaram nesta segunda-feira durante Assembleia Geral Extraordinária as demonstrações contábeis da companhia relativas ao ano de 2014, informa o ex-conselheiro da estatal Silvio Sinedino. O balanço ratificado nesta segunda-feira havia sido publicado com cinco meses de atraso, em abril, e após dois adiamentos.

O balanço foi aprovado com mais de 70% dos votos a favor e com cerca de 7% contra. Os cerca de 20% restantes foram de abstenções, disse Silvio Sinedino, representante do acionista minoritário Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet). “Não tinha como [o balanço] não ser aprovado”, disse Sinedino, que já integrou o Conselho de Administração da companhia por dois mandatos.

A aprovação acontece apesar de questionamentos feitos por acionistas preferencialistas, que não concordaram com a decisão da Petrobras de não pagar dividendos. O questionamento chegou a ser levantado durante a assembleia, mas foi derrubado por parecer da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que disse não ter encontrado ilegalidade na proposta da Petrobras, disse Sinedino

Balanço – No relatório, a Petrobras reportou um prejuízo de 21,6 bilhões de reais, sendo 6,2 bilhões de reais decorrentes de ações de corrupção. Também constava do documento a redução de 44 bilhões de reais no valor de seus ativos.

Continua após a publicidade

A aprovação contou principalmente com o voto da União, que é acionista majoritária da empresa. No último dia 15, a Petrobras publicou o balanço referente ao primeiro trimestre do ano, com lucro de 5,3 bilhões de reais.

Leia também:

Petrobras pode ter de republicar balanço do 1º trimestre

Lucro da Petrobras no 1º tri foi inflado por “pedalada contábil”

Continua após a publicidade

As cinco informações que interessam no balanço da Petrobras

(Com agência Reuters)

Publicidade