Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Acciona quer fiscalizar a Deloitte em caso da OSX

A maior credora da empresa de construção naval de Eike quer acompanhar de perto o papel da auditora que administra a recuperação judicial da OSX

Por Da Redação 19 dez 2013, 15h40

Maior credora da OSX, a Acciona quer fiscalizar com lupa a Deloitte como administradora judicial no processo de recuperação do estaleiro do empresário Eike Batista. Para isso, decidiu investir na contratação da Porto & Sales, companhia especializada no tema, como uma assistente técnica. O trabalho será monitorar as ações da Deloitte, que também acumula a função de administradora judicial no processo de recuperação de outra empresa X, a petroleira OGX.

Leia também:

Justiça suspende tramitação conjunta de recuperação judicial de OSX e OGX

Prejuízo da OSX no 3º tri chega a R$ 1,841 bilhão

“A Acciona está fazendo um investimento que não é desprezível para garantir seus direitos e dois outros credores também”, explicou o advogado Leonardo Pietro Antonelli, do escritório Antonelli Associados. Segundo ele, a grande preocupação da companhia é garantir a parcialidade do administrador judicial.

“Não existe consenso nem entre os valores das dívidas entre as duas empresas do grupo”, ressaltou. Além disso, explicou, é importante fiscalizar possíveis mudanças nas classes de credores ou mesmo surgimento de novos.

Continua após a publicidade

Atualmente, todos os credores estão incluídos na mesma categoria, dos sem garantias. Caso haja alguma migração ou a entrada de novos credores na classe dos credores trabalhistas ou com garantias, estes passam a ter prioridade no recebimento do crédito. Por isso, segundo ele, a importância da atuação da Deloitte no processo ser monitorada. Procurada, a Deloitte explicou que não pode comentar sobre casos de empresas.

Leia ainda:

​OSX, de Eike Batista, elege novos conselheiros

Forbes publica lista das carreiras destruídas em 2013 – adivinhem que brasileiro está nela?

Fora a contratação de um assistente técnico, a Acciona também questiona na Justiça a escolha do mesmo administrador judicial para cuidar da recuperação das duas empresas do grupo X. A companhia também recorre da decisão da Justiça de permitir que os processos das duas sigam juntos sob a alegação de conflito de interesses. A Acciona teme que uma das empresas seja sacrificada para que outra consiga se manter operacional.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade