Clique e assine a partir de 9,90/mês

Abilio vende participação no Pão de Açúcar por R$ 1,5 bi

Fundo do empresário negociou na Bovespa a venda de 17,1 milhões de ações da rede varejista nesta sexta-feira; objetivo é diversificar investimentos

Por Da Redação - 11 jan 2013, 16h09

O empresário Abilio Diniz deu sequência nesta sexta-feira ao processo de diversificação de seus investimentos. O fundo Santa Rita, que reúne parcela importante dos ativos do ex-controlador do Pão de Açúcar, vendeu 17,12 milhões de ações preferenciais da maior varejista do país na Bovespa.

O leião foi realizado na tarde desta sexta-feira e movimentou 1,5 bilhão de reais – cada ação foi vendida por 89 reais.

A bolsa não informou o nome do vendedor, que foi revelado à Reuters por uma fonte próxima ao empresário. No fim de dezembro de 2012, o fundo Santa Rita, administrado pelo UBS, já tinha vendido 1,7 milhão de papéis preferenciais do Pão de Açúcar, por cerca de 150 milhões de reais.

Com as operações de venda realizadas até o momento, a participação de Abilio no total de ações preferenciais do Pão de Açúcar foi reduzida pela metade, para pouco mais de 10% dos papéis dessa classe, segundo cálculos da Reuters com base na composição acionária da companhia.

O empresário, que é chairman do Pão de Açúcar, possui ainda ações ordinárias da empresa dentro da Wilkes, holding de controle da varejista.

O dinheiro levantado com a venda das ações preferenciais será direcionado à compra de participações em outras empresas listadas em bolsa, segundo a fonte próxima a Abilio, que pediu anonimato.

Continua após a publicidade

Em junho de 2012, o empresário transferiu o controle da varejista, que foi fundada por seu pai, ao sócio francês Casino, como previsto em acordo de acionistas.

Antes das operações realizadas em dezembro, cerca de 70% do patrimônio de Abilio era representado pela participação no Pão de Açúcar. Fontes disseram à Reuters no mês passado que não fazia mais sentido, para o empresário, ter um portfólio de investimentos tão concentrado na varejista, agora que ele não é mais o controlador do grupo.

Inicialmente, o leilão de venda de ações preferenciais envolvia 13 milhões de papéis, mas foi elevado diante da forte demanda. A negociação aconteceu no mesmo dia da divulgação do balanço da rede varejista, que registrou vendas inferiores no quarto trimestre na comparação com o mesmo período anterior.

(com Reuters)

Leia também:

Para Pão de Açúcar, fusão com Casas Bahia é irreversível

Continua após a publicidade
Publicidade