Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

A VEJA, Mantega, sem querer, profetizou o impeachment de Dilma

Presidente irresponsável com as contas públicas 'será impichado', profetizou o ex-ministro em 2007

Por Da redação Atualizado em 31 ago 2016, 11h38 - Publicado em 31 ago 2016, 11h32

Guido Mantega, ministro da Fazenda dos governos petistas entre 2006 e 2014, previu, sem querer, o impeachment de Dilma Rousseff – e isso antes mesmo de ela ser eleita presidente. A profecia involuntária foi feita em entrevista a VEJA, publicada em 12 de dezembro de 2007.

Ao ser perguntado sobre uma aparente tolerância do governo com a inflação, Mantega refutou a crítica, e vaticinou: “O controle da inflação independe de grupos políticos. Se no futuro for eleito um presidente irresponsável, ele terá de se submeter a regras consolidadas ou será ‘impichado’. Ninguém quer mais saber de déficit público ou de inflação”.

Leia mais:
TVEJA: Temer não tem margem para errar
Investidor de olho no placar do impeachment para avaliar Temer

Pois bem: Desde a declaração do ex-ministro, o IPCA, índice de preços oficial do país, só fechou abaixo de 4,5%, o centro da meta perseguida pelo Banco Central, em dois anos (em 2007, quando foi de 4,4%, e em 2009, de 4,3%). No ano passado, o IPCA foi a 10,6%, muito acima até da margem de tolerância da meta, que é de 6,5%.

Nas contas públicas, o quadro foi igualmente nebuloso. O governo fechou com rombo fiscal em 2014 e 2015, uma sequência até então inédita na série histórica do Banco Central, iniciada em 2001, de dois anos consecutivos de déficit. E a sequência vai crescer: o Congresso autorizou o governo a fechar este ano com rombo de 170,5 bilhões de reais. Para 2017, o aval é de 139 bilhões de reais.

As chamadas “pedaladas fiscais”, artimanhas contábeis adotadas no governo Dilma que acabaram mascarando a real situação das contas públicas, são o objeto que levaram a seu julgamento – que, nesta quarta, devem consumar sua deposição. Mas, como se vê, o conjunto da obra pesou na decisão dos congressistas. Mantega, há quase nove anos, já alertava para esse risco.

Continua após a publicidade
Publicidade