Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A previsão nefasta para Bolsonaro sobre o preço dos combustíveis

Em conversas privadas, ex-presidente da Petrobras relata que mudanças na estatal não terão impacto desejado e diz não acreditar na privatização da empresa

Por Victor Irajá Atualizado em 18 Maio 2022, 09h04 - Publicado em 17 Maio 2022, 10h52

Ex-presidente da Petrobras, o general Joaquim Silva e Luna não está nada animado com a efetividade da dança das cadeiras realizada pelo presidente Jair Bolsonaro no comando da empresa e do Ministério de Minas e Energia. De volta para Brasília, onde fincou suas bases, apenas na semana passada, ele relatou a diretores da Petrobras que a escolha de Adolfo Sachsida, então assessor especial do ministro da Economia, Paulo Guedes, para o comando do ministério no lugar do almirante Bento Albuquerque não terá efetividade no anseio de diminuir os preços dos combustíveis. “Não adianta nada mudar o sofá da sala”, brincou com os auxiliares.

Esses diretores relatam que Silva e Luna não acredita na privatização da empresa, cantada por Sachsida e Guedes, que anunciaram estudos para dar vazão à desestatização da empresa. Segundo Luna, as discussões têm “efeito cosmético” e Sachsida teria de assumir um discurso diferente de seu antecessor. Para ele, é impossível que a Petrobras seja privatizada ainda neste ano — e, nem se a iniciativa fosse bem-sucedida, teria o efeito desejado. Ele calcula que, apesar de positiva a longo prazo, a privatização da estatal teria o primeiro efeito de elevar o preço dos combustíveis. Isso porque, relataram diretores, Luna vê a Petrobras como ferramenta importante para segurar os preços sendo estatal. “Mas seria muito positiva para reduzir a influência política”, relatou.

Nesta terça-feira, 17, o presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória que modifica o cálculo de cobrança nas tabelas de fretes, reduzindo de 10% para 5% o aumento do preço do diesel que calça as alterações na tabela, em claro aceno a uma outrora base eleitoral importante, os caminhoneiros. A medida vem na esteira da pública insatisfação do presidente com a estatal e no processo de fritura do novo presidente da empresa, José Mauro Coelho, há um mês no comando da estatal.


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)