Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

À espera de balanço, ações da Petrobras operam instáveis

Com cinco meses de atraso, resultados financeiros da estatal devem ser anunciados só depois do término do pregão, após as 18h

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 05h33 - Publicado em 22 abr 2015, 13h56

No dia em que divulgará o tão esperado balanço auditado referente ao ano de 2014, a Petrobras enfrenta desconfiança do mercado. Com isso, as ações da estatal operam sem uma direção definida. Os papeis preferenciais (PN, sem direito a voto) registravam queda de 0,15% por volta das 13h20, a 13,07 reais. Já as ações ordinárias (ON, com direito a voto), subiam 0,52%, no mesmo horário, a 13,31 reais, mas passaram boa parte na manhã no campo negativo, chegando a cair 2,64%, às 10h35.

“O movimento é justificado pelo receio de algo ruim acontecer, visto que já tivemos por mais de uma vez a divulgação adiada”, afirmou Leandro Martins, analista chefe da Walpires corretora. “Outro receio dos investidores seria de uma perda maior em relação à esperada”, complementa. Segundo ele, o teto das perdas esperado pelo mercado é 28 bilhões de reais, considerando prejuízos com corrupção e de valor recuperável de ativos (impairment).

Leia mais:

Petrobras divulga balanço nesta quarta: saiba o que está em jogo

Continua após a publicidade

Petrobras já deve R$ 79 bilhões a bancos públicos

Petrobras deve pagar empréstimo chinês com petróleo, diz jornal

Para André Perfeito, economista da Gradual Investimentos, a retração vista nos papéis da estatal, no entanto, tem mais a ver com um movimento de realização de lucros, dada à recente alta acumulada nos últimos dias. “Ter o balanço auditado, sobre qualquer aspecto, é uma notícia muita boa. A reação definitiva aos números virá nesta quinta-feira, após a abertura do mercado”, afirma.

Continua após a publicidade

Às 13h21, o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, operava em alta de 1,16%, aos 54.386 pontos. O principal destaque positivo são os papéis da Vale, que sobem mais de 7%. Neste caso, os negócios reagem aos dados favoráveis de produção de minério no primeiro trimestre. Os números indicam uma produção de 74,52 milhões de toneladas, crescimento de 4,9% em relação ao visto um ano antes.

No âmbito macroeconômico, Banco Central (BC) divulgou, pela manhã, um déficit nas transações correntes do governo de 5,73 bilhões de dólares em março e 25,39 bilhões de dólares no 1º trimestre. Em 12 meses, o déficit em conta corrente soma 101,64 bilhões de dólares em 12 meses até março (4,54% do PIB).

Enquanto isso, em Brasília, a pauta carregada no Congresso volta a testar a relação entre governo e base aliada, já que deve ser concluída na Câmara a votação do projeto sobre terceirização de mão de obra, enquanto no Senado será apreciada a regulamentação da mudança do indexador da dívida dos Estados e Municípios.

Continua após a publicidade

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.