Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A burocracia nas transações bancárias está para acabar

As fintechs estão revolucionando o acesso a serviços financeiros. Um exemplo disso é o lançamento de cartões pré-pagos

O Brasil é o país da América Latina com o maior número de fintechs, empresas do mercado financeiro que usam todas as inovações tecnológicas disponíveis no mercado. A conclusão é do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que produziu o relatório Fintech na América Latina 2018: Crescimento e Consolidação. Já segundo o estudo Fintech Mining Report 2019, realizado pela holding Distrito, o Brasil tem 550 empresas com esse perfil. Desse total, 231 surgiram entre 2016 e 2018.

Essas companhias prometem transformar a relação dos cidadãos com seu próprio dinheiro, na medida em que oferecem opções menos burocráticas, mais ágeis e transparentes para receber valores, transferir dinheiro, pagar contas ou até mesmo investir. As fintechs se apoiam nas novas tecnologias, como a inteligência artificial e o blockchain, mas também num fato expressivo: dos 209 milhões de brasileiros, 116 milhões têm acesso à internet, segundo levantamento de 2016 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Opções variadas

Bancos sem agência, contas bancárias sem tarifas e investimento pela tela do celular, por exemplo, são inovações já disponíveis no cenário nacional. A tendência de crescimento aponta, inclusive, para uma transformação no mercado de investimentos do país. “O Brasil oferece poucas opções para os investidores. Em outros países, como nos Estados Unidos, a gama de alternativas é muito maior”, explica Mateus Davi Pinto Lucio, CEO do Grupo GR Discovery, companhia que abarca diversas empresas voltadas ao mercado financeiro.

Fundado há dez anos, o grupo oferece uma série de serviços inovadores, focados em simplificar a vida dos consumidores. Com a GR Exchange, por exemplo, é possível operar no mercado de câmbio usando apenas o WhatsApp.

Já o GR Help fornece um assistente virtual inteligente que transforma um questionário simples na declaração completa do imposto de renda, sem que o contribuinte precise preencher longos formulários. A empresa também desenvolveu um cartão pré-pago muito mais simples de adquirir e usar do que os modelos tradicionais.

Cartão do futuro

Com o GR Card, basta preencher um cadastro online, sem gerentes nem filas, e começar a usar a nova conta digital. A empresa não faz análise de crédito nem exige que o cliente tenha conta em algum banco.

O cartão pode ser carregado por boleto. Com o dinheiro depositado, o consumidor pode fazer transações online, pagar contas ou até mesmo comprar em um dos mais de 600 000 estabelecimentos que aceitam o produto – são todas as lojas, físicas e online, que recebem a bandeira GoodCard. Com o GR Card, também é possível fazer saques em toda a rede S&P e realizar transferências entre cartões.

Mateus Davi Pinto Lucio, CEO do Grupo GR Discovery: empresa oferece serviços focados em simplificar a vida dos consumidores

Mateus Davi Pinto Lucio, CEO do Grupo GR Discovery: empresa oferece serviços focados em simplificar a vida dos consumidores (GR Discovery/Divulgação)

Transparência total

O cartão digital facilita a vida do consumidor, mas também pode representar uma revolução para as pequenas empresas. Uma empreiteira, por exemplo, trabalha com dezenas de prestadores de serviço, de pedreiros a gesseiros.

Muitos deles não têm conta bancária em instituições tradicionais, nem mesmo condições de abrir uma. “Esses profissionais, muitas vezes, não conseguem apresentar um comprovante de renda considerado válido pelas instituições tradicionais”, explica o CEO.

“Eles recebem em dinheiro ou pela conta de algum familiar. Com o produto pré-pago, o empreiteiro pode gerar dezenas de cartões, colocar nas mãos de cada profissional e fazer os depósitos para cada um deles”, continua Lucio. Tudo com transparência e a possibilidade de acessar o histórico dos depósitos pelo celular.

Como aponta o CEO, que é especialista no mercado de investimentos, esse tipo de iniciativa garante que a inovação esteja voltada diretamente para as demandas concretas das pessoas comuns.

“Você tem que entregar a inovação para quem precisa dela”, afirma Lucio. Para conferir saldo, fazer transações ou mesmo bloquear um cartão, basta usar o portal ou o aplicativo da empresa. Tudo muito ágil e transparente – o futuro dos bancos já começou.