Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

2015 começou com 22% dos brasileiros no cheque especial

Levantamento da plataforma de gestão de orçamento GuiaBolso mostrou que nem todos os consumidores conseguiram quitar suas dívidas usando o décimo terceiro

Por Da Redação 12 jan 2015, 18h23

Apesar do pagamento do décimo terceiro, muitos brasileiros terminaram 2014 endividados. Um levantamento do GuiaBolso, plataforma que gerencia orçamentos pessoais, mostrou que 22% dos correntistas que usam o aplicativo passaram a virada do ano no vermelho. No total, a amostra totalizou dados de 16.612 usuários do GuiaBolso entre 24 e 31 de dezembro de 2014.

O saldo negativo inclui dívidas com cheque especial e adiantamento ao depositante, duas modalidades que cobram juros altos. Em dezembro, o valor médio mensal de juros pagos pela utilização do cheque especial chegou a 234 reais.

Levando em consideração o período de agosto a dezembro, é possível constatar ainda que os juros médios pagos em cheque especial cresceram 30%. Em agosto, o valor médio dos juros foi de 179,64 reais, mas subiu para 184,73 reais em setembro, 203,76 reais em outubro e 228,35 reais em novembro. Vale lembrar ainda que o adiantamento a depositante é um crédito adicional concedido pelo banco para cobertura de eventual saldo devedor em conta corrente.

No ano passado, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou duas vezes a taxa básica de juros (Selic), passando-a de 11% para 11,25% ao ano em outubro e, na última reunião do ano, para 11,75%. A Selic é um balizador para as outras taxas de juros do mercado, praticadas pelas instituições bancárias. O cheque especial é a modalidade que cobra a maior taxa de juros. Segundo o último relatório do Banco Central sobre crédito no sistema financeiro, a taxa anual de juros dessa modalidade bateu 191,6% ao ano em novembro do ano passado.

Leia mais:

Taxa de juros do cartão de crédito atinge maior nível em 15 anos

Inflação reduz para 0,71% rentabilidade da poupança em 2014

Brasileiros terão de poupar mais em 2015; conheça sete alternativas para conter gastos

Continua após a publicidade
Publicidade