Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

MP prevê bloqueio do benefício de 1,3 mi de aposentados sem prova de vida

Esse é o número de segurados que podem ficar sem dinheiro por não terem feito procedimento nos últimos doze meses; nova regra determina bloqueio automático

Por Da redação Atualizado em 19 mar 2019, 15h01 - Publicado em 19 mar 2019, 11h08

Cerca de 1,334 milhão de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) podem ficar sem receber o benefício referente a março. Segundo a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), este é número de segurados que não fizeram a chamada prova de vida nos últimos doze meses.  O bloqueio está previsto na Medida Provisória 871/2019, que instituiu um novo pente-fino e regras para combater pagamentos indevidos e fraudes.

A prova de vida é um procedimento obrigatório desde 2012, mas anteriormente não havia o bloqueio automático para quem deixou de comparecer ao banco no último ano.

Antes, as suspensões eram realizadas conforme uma agenda definida com base no número do benefício. Cada banco fazia de uma maneira: haviam instituições que utilizam a data do aniversário do beneficiário, outros utilizam a data de aniversário do benefício, e ainda quem convocasse o beneficiário um mês antes do vencimento da última comprovação de vida realizada.

  • A Febraban esclarece que os beneficiários não precisam ir antes ao banco para fazer a prova de vida. Isso porque quem estiver com o pagamento suspenso pode realizar o desbloqueio no mesmo dia previsto para o depósito do dinheiro na conta. “A liberação é feita na hora, após a realização da prova de vida”, explicou Walter de Faria, diretor adjunto de operações da representante dos bancos.

    A folha salarial de março começa a ser paga no dia 25 de março para segurados que recebem um salário mínimo (998 reais). O pagamento segue até o dia 5 de abril.  A data do depósito na conta do do segurado é feita com base no número final do cartão de benefício, sem considerar o último dígito verificador, que aparece depois do traço.

    Para fazer a prova de vida, o segurado precisa ter em mãos um documento de identificação. No caso dos bancos que usam a biometria,  o documento não é exigido.  Se aposentado não puder ir ao banco, ele pode nomear um procurador no INSS que faça a prova de vida para ele, informou a federação.

    Continua após a publicidade

    Procurado, o INSS não se posicionou até a publicação desta reportagem.

    Pente-fino

    Além do bloqueio automático dos recursos de segurados que não fizeram a prova de vida, a MP 871, em vigor desde janeiro, estabelece diversas medidas com o objetivo de combater fraudes.

    Entre as ações está a determinação de fazer pente-fino em todas as aposentadorias e pensões  que, na avaliação do governo, apresentarem indícios de irregularidades. Para isso, será pago um bônus de 57,50 reais para os servidores do INSS que analisarem os processos suspeitos.

    A MP também determina a revisão de benefícios por incapacidade. como aposentadorias por invalidez e auxílios-doença, que estão há mais de seis meses sem passar por reavaliação médica. A medida endurece o pente-fino realizado pelo governo Temer.

    No governo anterior, o chamamento foi feito para segurados que não haviam passado por perícia nos últimos 24 meses. Entre 2016 e 2018. o pente-fino de Temer cortou 727.110 auxílios-doença e aposentadoria por invalidez, após a realização de 1,185 milhão de perícias. A economia estimada foi de 14,5 bilhões de reais.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade