Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Woody Allen chega aos 80: confira lista com os melhores filmes

Cineasta americano já soma mais de quarenta produções no currículo

Por Da Redação 1 dez 2015, 15h52
Woody Allen
Woody Allen VEJA

Referência de humor e cinema, Woody Allen, pseudônimo de Allan Stewart Königsberg, completa 80 anos nesta terça-feira, 1º de dezembro. Nascido numa família judaica de Nova York, Allan começou muito cedo a escrever esquetes de humor para TV e peças curtas. Aos 15, virou Woody Allen. Na década de 1960, cansado de escrever para os outros, virou comediante de stand-up, escrevendo para si mesmo. Em vez de piadas, valorizava monólogos. Em 1964, concorreu ao Grammy na categoria disco de humor. No ano seguinte, estreou no cinema como ator e roteirista com O Que É Que Há, Gatinha?, dirigido por Clive Donner.

Seus conhecidos textos nonsenses e o humor episódico ganham um novo tom em 1977, quando ele lança Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977). O filme se torna o grande vencedor do Oscar no ano seguinte – filme, diretor, atriz (Diane Keaton) e roteiro (Woody Allen e Marshall Brickman). No total, Woody teve mais 15 indicações para o Oscar de roteiro – e ganhou outras duas estatuetas, em 1986, por Hannah e Suas Irmãs, e em 2012 por Meia-Noite em Paris.

Leia também:

Roteiro de ‘Noivo Neurótico, Noiva Nervosa’ é eleito o mais engraçado do cinema

Steve Carell substitui Bruce Willis em filme de Woody Allen ​

Woody Allen relê ‘Crime e Castigo’ em ‘Homem Irracional’

Woody Allen é um dos mais premiados diretores/autores do mundo, se não for o mais. Além de Oscars, ganhou Globos de Ouro, Baftas, César (o Oscar francês) e prêmios honorários em Cannes, Berlim e Veneza. Viciado em trabalho, o cineasta entrega um filme por ano. No total, são mais de 40 produções e muitos livros. Mesmo com tanta bagagem, Woody é autocrítico. “As pessoas sempre se enganam em duas coisas sobre mim: pensam que sou um intelectual (porque uso óculos) e que sou um artista (porque meus filmes perdem dinheiro).”

Para celebrar os 80 anos do cineasta, o site de VEJA reuniu na lista abaixo os dez filmes de Woody Allen mais bem conceituados pela crítica internacional, segundo ranking do site especializado Rotten Tomatoes. Confira:

‘A Última Noite de Bóris Grushenko’ (1975)

Indicado ao Urso de Ouro, no Festival de Berlim, o filme cômico traz diversas referências à literatura russa, especialmente obras dos escritores Fiodor Dostoiévski e Liev Tolstói. O protagonista Bóris Grushenko (vivido por Woody Allen) é um russo que entra para o exército e acaba se tornando um herói. Ele então conquista o amor da sua vida, Sonja (Diane Keaton), e entra em um plano para matar Napoleão. 

https://youtube.com/watch?v=Qo2Lo28FNpg

‘O Dorminhoco’ (1973)

Com Diane Keaton, Woody Allen interpreta um músico e dono de uma loja que, após ser congelado, acorda no futuro, em um mundo comandado por um governo opressor que ele irá combater. O longa também conta com a presença de Diane Keaton como a personagem Luna Schlosser. 

‘Zelig’ (1983)

Majoritariamente em preto e branco e com um estilo que propositalmente se assemelha ao de um documentário, Woody Allen é Leonard Zelig, um homem que conseue assimilar e imitar a personalidade e característica de qualquer pessoa ao redor. O filme foi indicado em duas categorias do Oscar: melhor fotografia e figurino. 

Continua após a publicidade

https://youtube.com/watch?v=gSOl7OB7HoI

‘Broadway Danny Rose’ (1984)

Com duas indicações ao Oscar, de melhor diretor e roteiro, o filme, também protagonizado por Allen, narra a história do agente artístico de Broadway chamado Danny Rose, que ajuda clientes sem talento ou com dificuldades, como um sapateador cego. A história se complica quando Rose se envolve com mafiosos italianos.

‘Maridos e Esposas’ (1992)

Uma das especialidades de Allen é retratar uma ciranda de casos amorosos, com fundo cômico e dramático ao mesmo tempo. Neste longa, ele apresenta um casal que entra em crise ao descobrir que os amigos vão se separar. Esta foi a última parceria de Allen com a ex-esposa Mia Farrow, de quem se separou pouco depois.

‘Noivo Neurótico, Noiva Nervosa’ (1977)

Principal vencedor do Oscar em 1978, o longa levou as estatuetas de melhor roteiro, atriz (Diane Keaton), diretor e filme. Alvy Singer (Allen) é um humorista judeu e divorciado que se apaixona por Annie Hall (Diane), uma aspirante a cantora. O longa é considerado um divisor de águas na carreira do diretor, que abandona as comédias pastelão para encarar projetos com diálogos mais intensos e humor sutil. 

‘Manhattan’ (1979)

Outro longa da fase Diane Keaton, Manhattan apresenta Isaac (Allen), um roteirista de TV divorciado que se apaixona pela melhor amiga da namorada. A produção foi indicada ao Oscar de melhor roteiro original e atriz coadjuvante, para Mariel Hemingway.

‘Sonhos de um Sedutor’ (1972)

Dirigido por Herbert Ross e escrito por Woody Allen, o filme conta a história de um crítico de cinema recém-divorciado, vivido por Allen, que tem um sério problema em lidar com mulheres. Ele busca ajuda no conselho de amigos, principalmente de Humphrey Bogart, seu alter-ego. 

‘Tiros na Broadway’ (1994)

Ambientado na década de 1920, Tiros na Broadway não conta com a atuação de Woody Allen, que dessa vez “apenas” dirigiu e escreveu o filme de 1994. Na trama, um diretor de teatro (John Cusack) é forçado a empregar uma atriz sem talento, já que a moça tem conexões com o gângster que produz a peça. 

Hannah e Suas Irmãs (1986)

Indicado em sete categorias do Oscar e vencedor em três (roteiro para Allen, atriz coadjuvante para Dianne Wiest, e ator coadjuvante para Michael Caine), o longa mostra uma intrincada rede de traições dentro de uma família. Mia Farrow interpreta a personagem do título.

(Da redação com agência Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade