Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Whitney Houston: afogamento e overdose podem ter matado cantora

Polícia encontrou remédios controlados no quarto, mas descartou a presença de drogas ilegais e de álcool

Por Da Redação 12 fev 2012, 09h45

A polícia de Los Angeles ainda investiga a causa da morte da cantora Whitney Houston, mas trabalha com as hipóteses de afogamento e overdose. Ela foi encontrada morta na noite deste sábado, aos 48 anos, em um quarto do hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, onde estava hospedada para se apresentar em uma festa que antecederia os prêmios Grammy. Segundo o site de celebridades TMZ, a polícia encontrou remédios controlados no quarto, mas descartou a presença de drogas ilegais e de álcool. Também é possível que ela tenha se afogado na banheira, onde um membro de sua equipe encontrou o corpo.

Segundo o TMZ, Whitney estava tomando Xanax, medicação usada para tratar ansiedade e depressão, que combinada a álcool, poderia causar uma forte sedação que seria capaz de fazê-la dormir na banheira. Na noite anterior à sua morte, Whitney bebeu bastante em um evento que antecedeu a entrega dos prêmios Grammy. O corpo de Whitney foi levado há pouco ao necrotério, onde passará por uma autópsia para determinar a causa da morte. Os policiais continuam procurando evidências no quarto.

De acordo com o TMZ, um integrante da equipe de Whitney encontrou o corpo da cantora e, em seguida, ligou para a segurança do hotel, que imediatamente acionou o serviço de emergências. Quando os paramédicos chegaram, tentaram reanimá-la, mas a cantora não respondeu e foi declarada morta às 15h55 (horária local, 22h55 de Brasília). O tenente da polícia de Beverly Hills Mark Rosen assegurou que “não havia sinais evidentes de intenção criminosa” e que a causa de sua morte está sendo investigada.

Sucesso nos anos 1980 e 90, Whitney tinha a saúde visivelmente debilitada nos últimos tempos por causa de seus problemas com as drogas. A cantora participou de uma festa pré-Grammy em Los Angeles na quinta-feira e parecia alterada. Ela chegou a subir ao palco para cantar uma música, como mostra um vídeo publicado no YouTube (veja abaixo).

Continua após a publicidade

https://youtube.com/watch?v=JeODskvJ4yg

No começo de 2011, Whitney cantou na mesma festa, quando sofreu críticas por ter feito uma apresentação irregular. Poucos meses depois, a cantora se internou em uma clínica de reabilitação para se curar de problemas com álcool e drogas. A cantora lutou contra estes vícios durante anos. No começo dos anos 2000, ela perdeu muito peso e começou a faltar em seus compromissos, preocupando os fãs. Ela admitiu em entrevistas que usou cocaína durante muito tempo na sua carreira. “Era uma coisa que eu fazia todos os dias, mas eu não estava feliz”, disse a cantora em entrevista à apresentadora Oprah Winfrey em 1996.

Dona de uma voz poderosa, Houston dominou o cenário musical americano nos anos 1980 e 1990 como a cantora pop-soul conhecida como “the voice” (a voz). Nesse período, ela atuou em filmes de sucesso como O Guarda-Costas (1992) e Falando de Amor (1995). Seus hits incluíam How Will I Know, Saving All My Love for You e I Will Always Love You. A cantora vendeu mais de 170 milhões de álbuns. Desde a década de 1980 até quase o final dos anos 1990, a cantora foi uma das artistas que mais discos vendeu ao redor do mundo. Ela ganhou seis Grammy, incluindo dois de álbum do ano.

Filha de uma família musical, que incluía sua mãe Cissy Houston, uma cantora gospel, e Dionne Warwick, sua prima, Whitney Houston começou adolescente a trabalhar como modelo e depois começou a cantar. Whitney, que cresceu em Nova Jersey, também deu seu apoio ao movimento antiapartheid de Nelson Mandela, e fez campanha pela libertação do líder negro sul-africano.

Whitney deixa uma filha, Bobbi Kristina, do relacionamento com o cantor Bobby Brown, com quem foi casada de 1993 a 2007 e teve uma relação abusiva. Brown fez sucesso como cantor de rhythm and blues nos anos 1980 e 90, mas ficou mais conhecido como marido de Houston e por seu envolvimento constante com drogas e a lei. Brown foi preso em Atlanta, em 1993, por atentado ao pudor, e por agressão em 1995. Também foi preso por dirigir bêbado em 1996 e por bater na cantora em 2003. O casal já estrelou um reality show que falava de seu casamento.

Brown se mostrou muito abalado com a morte de Whitney. Horas após saber da morte da ex-mulher, ele seguiu com sua agenda normalmente e fez um show no Mississippi que já estava programado. Brown teria deixado sua banda tocar sozinha a primeira música do show, após ter um colapso nervoso nos bastidores. Ele, então, foi ao palco na segunda música e e continuou o show normalmente, gritando: “Eu te amo, Whitney!”, enquanto jogava um beijo para o céu, aos prantos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)