Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

‘Wando tinha um feeling muito especial’, diz Jair Rodrigues

Músico, o primeiro a gravar composição de Wando, 'O Importante É Ser Fevereiro', conta como conheceu o cantor

Por Carol Nogueira 8 fev 2012, 11h36

Quando Jair Rodrigues conheceu o então novato Wanderley Alves dos Reis (que mais tarde assumiria o nome artístico Wando, apelido dado por sua avó), ainda no começo dos anos 1970, viu que estava diante de um “compositor dos bons”. “Nós fomos apresentados pelo Nilo Amaro, de um grupo chamado Os Cantores de Ébano. O Carnaval estava chegando e eu disse a ele que procurava um samba bem alegre. Foi aí que ele cantou O Importante é Ser Fevereiro. E eu gostei tanto que gravei”, afirma Jair ao site de VEJA.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Cantor Wando morre aos 66 anos em Nova Lima, Minas Gerais

O músico conta que era um admirador do talento de Wando. “Ele tinha um feeling muito especial para mexer com as mulheres. Ele frequentava a mesma turma que eu, fazia parte da nossa laia”, brinca Jair, que além de gravar O Importante…, composta por Nilo Amaro e Wando, compôs o samba Se Deus Quiser ao lado de Wando.

“Eu tive a grande felicidade de ser o primeiro a gravar uma composição do Wando e ele sempre me agradeceu por isso. Cada vez que encontrava comigo, dizia: ‘Jajá — era assim que ele me chamava –, eu agradeço muito o que o senhor fez por mim. Meu começo de carreira foi difícil e você sempre me deu força. Nunca vou esquecer'”, lembra Jair. “Ele me tratava por senhor, e eu falava para ele: ‘Que besteira, Wanderley — que era como eu o chamava, porque o conheci assim –, pode me chamar de você’.”

Jair conta que a última vez que viu Wando foi há cerca de um ano. “Eu o encontrei, acho que foi no bar Brahma, em São Paulo, e até levei um susto. Ele estava se aproximando de mim e a barriga dele já encostava na minha. Eu falei para ele: ‘Cuida da saúde, homem. Quem não cuida da saúde, o homem leva’. É uma pena…”

Continua após a publicidade
Publicidade